quarta-feira, 2 de novembro de 2016

aCalopsia: António de Macedo, ou a Vã Glória do Imaginário



A estreia de Nos Interstícios da Realidade: O Cinema de António de Macedo, documentário de João Monteiro sobre a vida e obra do cineasta António de Macedo, vem-nos recordar o seu papel fundamental na história do cinema português e a sua obra única, mas também o conservadorismo que caracteriza o pensamento cultural português.

Realizador incómodo e iconoclasta, António de Macedo sofreu a censura respeitável da alta intelectualidade. Respeitado como autor de culto, vive nestes anos em que a idade e problemas de saúde não permitem grandes presenças públicas a necessária redescoberta da sua carreira. Pessoalmente, sempre que me cruzo com Macedo, fico paralisado, incapaz de falar, reverente perante um homem de marcada acessibilidade e simpatia. Ouço-o, porque há tanto a aprender com o que nos diz. Neste sentido, é um privilégio vê-lo, e às suas histórias que fazem parte da história cultural contemporânea, em Nos Interstícios da Realidade. Após esta estreia no Doclisboa, o documentário tem chegada prevista em 2017 às salas de cinema. Já o apetite que desperta pelo visionamento das obras de Macedo é que é mais difícil de saciar. Restam os seus livros, mas mesmo aqui é preciso ter alguma paciência para mergulhar nos alfarrabistas ou prateleiras empoeiradas das livrarias.

Texto completo no aCalopsia: António de Macedo, ou a Vã Glória do Imaginário. A ler ao som de Florbela Queirós acompanhada pelo Quinteto Académico em Meio Metro de Fecho Éclair, do filme Sete Balas Para Selma.

Sem comentários: