terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Goth


Otsuichi (2009). Goth. São Francisco: Haikasoru.

Um livro algo desapontador, apesar de partir de uma premissa fortíssima. Dois adolescentes japoneses, com um fascínio mórbido pelo negrume e mortes violentas, com uma relação impessoal que raia a psicopatia entre si e o mundo. É uma boa premissa para contos de horror policial, mas a prosa do autor arrasta-se e consegue transformar boas ideias em lamaçais literários. Pior. No final do livro somos mimados com um longo posfácio onde o autor nos conta que afinal os dois jovens não são humanos, são yokai encarnados, e os assassinos que perseguem com um bizarro sentido de justiça são eles também espíritos maléficos. Algo que não se percebe ao ler estes contos, ou por incapacidade do escritor, ou por falta de algum pressuposto comum à cultura japonesa. Possivelmente há pistas que permitiriam a quem conheça as tradições nipónicas perceber que criaturas realmente são estes anti-heróis e os monstros que perseguem. Por outro lado, se no posfácio é preciso explicar ao leitor aquilo que leu, talvez seja mesmo falha do escritor.

Goth: Um caderno de apontamentos encontrado por dois estudantes com tendências sombrias revela-se um relato dos métodos usados por um serial killer com propensão para esquartejar os corpos das vítimas em padrões de estética peculiar.

Wrist-cut:  A cidade está a ser assolada por uma vaga de atrocidades, com um psicopata a decepar mãos de pessoas e animais. O protagonista do livro, que apenas conhecemos como "Boku" (eu em japonês) apercebe-se que o tranquilo professor de ciências do seu liceu é o decepador em série e rouba~lhe os troféus, tentando levá-lo a decepar as mãos da amiga, Morino.

Dog: O desaparecimento misterioso de animais de estimação está ligado ao drama de uma jovem menina, que treina o seu pacífico e fiel labrador para que este assassine o padrasto violento. Para que o cão aprenda a degolar um homem, tem de se treinar lutando contra muitos aterrorizados cães raptados.

Memory/Twins: Neste conto, Otsuichi mergulha mais a fundo nos mistérios de quem realmente é a adolescente Morino, com uma história sobre o suicídio de uma irmã gémea que, na óptica distorcida que dá a tónica a estes contos, foi afinal assassinada pela irmã que tomou o seu lugar.

Grave: Um polícia guarda no jardim um tétrico segredo. Gosta de enterrar vivas vítimas que escolhe a dedo. Na sua segunda tentativa, o cruzar-se com Boku e Morino ditará um final aos seus impulsos, mas esta dupla de adolescentes não é especialmente justiceira e ainda lhe planta uma terceira vítima no jardim.

Voice: Um conto complexo, onde a irmã de uma rapariga violentamente assassinada é atraída pelo assassino com gravações da voz, captadas durante o acto. Conto interessante, porque pensamos sempre que o inominado protagonista destas histórias é o assassino, até ao volte-face final onde se revela que afinal é um amigo de longa data da rapariga, para além de morbidamente curioso com assassínios em série.

Morino's Souvenir Photo: Um fotógrafo em busca da perfeita veracidade da expressão humana regressa, nove anos depois, ao local onde pela primeira vez conseguiu através de um assassínio captar o retrato perfeito. Cruza-se com Morino, que o enfeitiça, mas cruza-se também com o inominado protagonista, caçador de histórias relacionadas com mortes violentas.

Sem comentários: