quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Dylan Dog: Gli Ultimi Immortali; Epidemia Aliena; Il Crollo


Giovanni di Gregorio, Nicola Mari (2011). Dylan Dog #293: Gli Ultimi Immortali. Milão: Sergio Bonelli S.p.a..

Um remoto lar de terceira idade abriga um grupo de velhotes com um singular segredo. Cada um tem a sua versão. Uma acredita que a culpa é do seu vampirismo. Outro, que são os assassínios de jovens inspirados por uma sessão espírita. Um crê que o tempo parou. Outra, que os prazeres esticam o tempo. Um casal vê no amor infindo a resposta. E o mais telúrico destes, amante da vitalidade do jardim, mostra uma foto com o seu quê de retrato de Dorian Gray. O mistério que Dylan é chamado a desvendar é o da aparente incapacidade destes tranquilos pensionistas irem desta para melhor. Uma aventura curiosa, com nuances que nos levam a um final cheio de múltiplas interpretações.


Giovanni Gualdoni, Luca Dell'Uomo (2012). Dylan Dog #312: Epidemia Aliena. Milão: Sergio Bonelli S.p.a..

O que redime um pouco esta aventura do Old Boy é o toque final de universos paralelos. Dylan descobre-se no meio de uma tremenda epidemia de honestidade, com o previsível colapso social trazido por um mundo onde todos confessam exactamente o que pensam. O mistério adensa-se quando Dylan, hóspede de duas velhinhas simpáticas decalcadas do filme Arsenic and Old Lace de Capra, se descobre no covil de perigosas assassinas em série. E um dos cadáveres é o seu. Uma aventura com toques intrigantes, mas no global muito medíocre.


Paola Barbato, Giovanni Freghieri (2012). Dylan Dog #313: Il Crollo. Milão: Sergio Bonelli S.p.a..

O que intriga nesta aventura de Dylan Dog é a forma fragmentada como a história se constrói, a partir das diferentes versões contadas pelos intervenientes que perderam a memória após a derrocada de um edifício. Presos na cave cheia de escombros, tentam redescobrir a verdade enquanto enfrentam a surreal ameaça de uma gosma negra sentiente que concentra em si os sentimentos negativos da humanidade.

Sem comentários: