domingo, 3 de julho de 2022

URL

Esta semana, destacamos os nomeados portugueses para os Eisner, a importância da literatura clássica, e experiências literárias com Inteligência Artificial. Fala-se das flutuações das criptomoedas, criação de aplicações no code, e televisões muito retro com Arduino. Ainda se olha para as raízes da pobreza haitiana, do investimento alemão na cultura, e sobre o cão pré-histórico de Muge.

Ficção Científica e Cultura Pop

Ian Robertson’s 1977 cover for ‘The Incandescent Ones,’: Bem, a FC é por vezes muito silly.

"Balada para Sophie", de Filipe Melo e Juan Cavia, com quatro nomeações nos Eisner Awards: Excelentes notícias para a BD portuguesa, com esta nomeação do Balada para Sophie para os mais prestigiados prémios americanos.

Vintage Blythe Doll commercials: Um olhar retro para o mundo destas bonecas, que é levado muito a sério pela sua comunidade de fãs.

10 Times Sci-Fi Classics Predicted the Future Totally Wrong: É sempre divertido ler estas listas, para recordar filmes. Mas note-se, o erro não está nos filmes em si, mas na redução do largo espectro da FC ao simplismo da predição oracular.

The Classics Are Whatever We Want Them to Be: O que é um clássico? Essencialmente, uma obra que sobrevive ao tempo. E, também, que sobrevive aos discursos patetas de menorização de grandes obras literárias. Se falar de cânones pode ser redutor, há muitas razões pelas quais os livros que geralmente integram esses cânones são lidos e relidos ao longo de gerações. 

Future Media Short Story Review: Barry N. Malzberg’s “The Idea”: Usando a ficção científica como projeção de tendências e lente de análise, uma história que reflete sobre os lados negros da cultura mediática.

Jhumpa Lahiri Explains Why Italo Calvino Is So Beloved Outside Of Italy: O cosmopolitismo de um escritor, cujo imaginário foi formado pelas suas viagens. A ideia de um autor, que se torna compreendido através das suas traduções.

Sara, de Garth Ennis e Steve Epting: Garth Ennis é excelene a escrever comics sobre a II Guerra, e este é uma das suas melhores obras recentes, olhando para as histórias das unidades de combate femininas do Exército Vermelho.

4826) "Love, Death & Robots - ano 3: Quase me dá vontade de subscrever um serviço de streaming, para poder ver esta série. Pelo que tenho lido, e visto em fragmentos, parece ser uma das melhores vénias contemporâneas à Ficção Científica.

A Novelist and an AI Cowrote Your Next Cringe-Read: Indeciso. Meto isto em cultura pop ou tecnologia? Mais do que o lado hype, o interessante deste trabalho é o mostrar de que forma se podem usar ferramentas de Inteligência Artificial para levar mais longe a imaginação de um autor.

Tecnologia


Shusei Nagaoka: Megaestruturas

Prelude FLNG, la mayor estructura flotante jamás construida por el ser humano: mide casi medio kilómetro de largo: Uma tremenda megaestrutura flutuante. Como pessoa que sonha com o espaço, não me é difícil imaginar toda esta engenharia aplicada ao desenvolvimento da presença humana no espaço. Pois, sonhar é fácil.

How Crypto Disappeared Into Thin Air: A volatilidade das criptomoedas é uma das suas características, e não das mais positivos.

Ulendo launches software technology capable of doubling 3D printing speeds: Já havia provas de conceito, agora é mesmo um produto comercializado. A lentidão das impressoras FDM tem sido um dos obstáculos ao desenvolvimento desta tecnologia.

HP-200LX Runs Website Like it’s the 90s: Nos tempos em que a computação ultraportátil era mais experimentalista, os palmtops eram máquinas com capacidades surpreendentes. Ao ponte de um, hoje ressuscitado, poder ser usado para manter um servidor web.

Maker Spotlight: Shanna Haden: Fiquei fascinado por este perfil maker, porque me identifico imenso. Compreendo um professor que percebe que as abordagens maker podem trazer novas valências e formas de ensinar e aprender. E isso aprende-se, partilhando experiências.

Somehow The Internet Went Wrong. We Could Fix It: Mas será que conseguimos mesmo? Com a rede dominada pelo hipercapitalismo dos dados enquanto bem transacionável? Confesso o meu pessimismo, creio que nesse aspeto, apesar do potencial do open source e do grassroots, sinto que o domínio comercial é demasiado pesado e inabalável.

DALL·E 2 Research Preview Update: Uma antevisão do que a Open AI anda a preparar para os modelos linguísticos aplicados à geração de imagens.

Of Mice and Modes: the Story of the Graphical User Interface: O GUI foi das invenções que mais contribui para a democratização e acessibilidade da computação, ao permitir formas fáceis de interação humano-máquina.

TikTok Boom: Confesso o meu progressivo fascínio por esta plataforma, e esta análise é certeira. Olha para o efeito psicológico dos ciclos de conteúdo rápido em vídeo, e para o tremendo acervo audiovisual para consumo disponível, que faz os gigantes do streaming parecer anões. E com outro efeito intrigante. Estes vídeos são hipercurtos, estão a formar um tipo de atenção ao consumo de media que se afasta diametralmente do visualizar de narrativas longas. No TikTok é tudo rápido, imediato, em sucessão contínua fragmentada. Estou curioso em ver como as atitudes e capacidade de manter atenção em meios audiovisuais vão evoluir, quando as gerações que cresceram no TikTok se tornarem os principais consumidores.

AI Created This Extremely Cursed Children's Cartoon: Bem, não sejamos tão apoquentados. É um trabalho experimental de David O'Reilly, um animador que se distingue pelas suas abordagens estéticas radicais à animação digital. Brincar desta forma com inteligência artificial é em tudo o que esperamos dele.

Untethered: Our Lives Without Cables: Um dos detalhes que me despertou a atenção no artigo foi olhar para algumas das ações para as quais usamos telemóveis - o enviar sms e fazer chamadas, como algo que foi praticamente substituído por mensagens instantâneas e vídeo. De facto, a maioria dos SMS que se recebe são para autenticação em serviços web...

OpenAI: Look at our awesome image generator! Google: Hold my Shiba Inu: O Imagen da Google parece ter ido ainda mais longe que o DALL-E2 na geração automatizada de imagens realistas.

Lidar reveals networks of pre-Columbian cities and towns in Bolivia: Sensores avançados, imagens de satélite, Lidar. A arqueologia hoje dispensa os Indiana Jones e abraça os geeks.

Para qué programar un app cuando puedes dibujarla: así funciona la nueva IA "No-Code" de Microsoft: Confesso que o que me surpreende é a Microsoft ter demorado tanto tempo a trazer isto ao mercado; esta tecnologia no code que parte do esboço criado pelos utilizadores já tinha saído dos seus laboratórios há alguns anos.

The dark secret behind those cute AI-generated animal images: É, de facto, apenas vemos o que nos é mostrado, não as horrendas tentativas ou as imagens onde os enviesamentos dos modelos de treino são mais notórios. E, por enquanto, quer o DALL-E2 e a Imagen são mais provas de conceito do que ferramentas, são ambientes fechados, e são-no porque os responsáveis sabem que se abrirem estas ferramentas de forma generalizada, vão ser usadas de formas que tocam diretamente nos limites éticos. 

AI Inventing Its Own Culture, Passing It On to Humans, Sociologists Find: O que não é em si surpreendente, nós humanos somos peritos em gerar novas ideias e cultura a partir de ideias. E as ideias que nos levam a gerar cultura virem de meios mecânicos também não é novidade, basta pensar nas estéticas da fotografia, ou mais recentemente, da meme culture.

NASA Lander Looks Beat as Hell in Final Selfie Before Death: A tristeza que se sente quando se descobre que uma sonda marciana será desligada revela muito sobre a antropomorfização que fazemos aos nossos robots.

Clearview AI Says It's Bringing Facial Recognition to Schools: Não surpreende que estas empresas, especialistas em vigilância potenciada por Inteligência Artificial (esta, em particular, está ligada ao sistema chinês de panopticon em Xinjiang), olhem com voracidade para a Educação enquanto mercado.

Print an Arduino-Powered Color Mechanical Television: As ferramentas de hoje, a recriar uma tecnologia antiga. Com arduino, leds, sensores e impressão 3D, um projeto que recria um disco de Nipkow, um dos precursores da televisão.

It’s hard to believe Google Drive’s just now getting copy / paste shortcuts: Uma boa notícia para os utilizadores da Drive, que finalmente conseguem realizar operações elementares de gestão de pastas.

Modernidade

Pierre Mion: Urbanismos futuros.

Permanent Pandemic: Talvez o maior perigo a longo prazo da pandemia, a forma como nos habituou a sistemas de controle social. Aceitámo-los nas fases mais agudas, como imperativos de sobrevivência social e pessoal, mas ao fazê-lo abrimos a porta à sua manutenção, e potencial abuso. Mesmo nas sociedades mais democráticas.

Soy fotógrafo profesional y estos son los seis errores de fotografía más comunes que veo en Instagram: Dicas de fotografia? Fazem sempre jeito, especialmente se levarem em conta que a fotografia hoje depende muito dos dispositivos móveis.

Haiti’s Lost Billions: O primeiro país a deixar de ser colónia, o Haiti tem lugar assegurado na lista dos países mais pobres do mundo. O porquê parte daqui, das condições que a França colocou para conceder independência à sua colónia, sob a forma de uma dívida que sugou os recursos do país. Um tremendo trabalho de jornalismo histórico do New York Times.

Kids Are Far, Far Behind in School: Não há aqui grande novidade, os confinamentos e ensino à distância traduziram-se por atrasos nas aprendizagens. Mas será que isso significa um descalabro? Depende, sim, se a visão de educação for como uma meticulosa construção onde a falta de um elemento faz desabar o resto. Mas se recordarmos a capacidade humana para aprender, talvez isto não seja assim tão catastrófico (embora, claro, não deixe de ser necessário um reforço no apoio a todos os alunos).

Germany Bumps Up Culture Spending By 7 Percent to $2.4 Billion, Citing Link Between Arts and Democracy: Uma escolha interessante, que mostra uma aposta na vitalidade da sociedade civil. Perante os desafios da desinformação, esta é uma boa resposta.

Já foste a uma exposição de NFT?: Confesso, estou curioso. Não pelo lado crypto, mas pela possibilidade de visitar exposições ligadas à arte digital.

Are You Still You If You’ve Gone Through A Transformational Experience?: É uma versão psicológica do barco de Teseu. Se as peças do navio dos argonautas foram substituídas ao longo da viagem, o navio continua a ser o mesmo? São paradoxos, não há resposta para eles, apenas um grande gozo intelectual em pensar em argumentos.

The story of Suzanna, the Modified Iraqi Falcon 50 Business Jet that almost Sank US Navy’s guided missile frigate USS Stark: Fiquei espantado só pela ideia de modificar um jato de passageiros para transportar mísseis anti-navio.

The archaeology of inequality: Analisar os níveis de desigualdade social, através de vestígios arqueológicos.

O CÃO DE MUGE: ESSA É A FACE DE UM CACHORRO DE 7.500 ANOS: Um fiel amigo do homem, que regressa ao nosso olhar graças ao trabalho de análise arqueológica que inclui reconstrução 3D. Um trabalho desenvolvido por cá, os vestígios deste cão pré-histórico vieram de Muge, que contou com a colaboração de Cícero Morais, um especialista brasileiro de recriação facial 3D que tem desenvolvido um trabalho extraordinário. 

How Are We Supposed To Talk About The Future?: Das bases do futurismo.

A Deconstructivist Guide To The Universe: Recordar os arquitetos cuja estética ainda hoje nos parece arrojada e inquietante.

On men, romance, and trick questions: Um divertidissimo texto sobre objetificação do feminino na estética do romance medieval.

War Will Never Be This Bulky Again: Uma das lições que os campos de batalha ucranianos estão a mostrar é que alguns dos mais complexos sistemas de armas jamais criados, de tanques a navios de combate, se estão a revelar frágeis e vulneráveis a novas armas mais leves, usadas com inteligência. Tanques, porta-aviões e aeronaves pesadas parecem estar a tornar-se tão obsoletas como bestas ou catapultas.

sábado, 2 de julho de 2022

Lost+Found

 

















Impossibilitado de sair por uns dias, regressei aos espaços virtuais. E que melhor para suportar os sintomas de Covid, do que um mergulho nesse glorioso jogo pulp grand guignol que é Duke Nukem 3D? Em baixa resolução, claro, em pura onda retro. Lunar Apocalypse sempre foi o meu episódio favorito, com todos os easter eggs visuais a Alien, Star Wars e 2001. Já a quasi-nudez, bem, este jogo sempre se assumiu como mal comportado.

quinta-feira, 30 de junho de 2022

H-alt: DJ Cat Gosshie World Tour


A premissa é absurda, são as aventuras de um gato DJ que viaja pelo mundo, toca vinis, fuma umas cenas, cruza-se com diferentes pessoas. Não é suposto ser verosímil, é uma sublimação dos gostos de viajar, gatos e boa música. O livro é feito de episódios onde o gato-dj se descobre a tocar música nos mais inesperados cantos do mundo. Este livro tem entrada direta para a categoria dos mais surreais na biblioteca. Um manga inesperado, divertido, luminoso. Recensão completa em H-alt: DJ Cat Gosshie World Tour.

terça-feira, 28 de junho de 2022

H-alt: Ilha dos Gatos


Ilha dos Gatos é uma daquelas obras que se delicia em ser ambígua. Em leitura linear, percebe-se com um conto de terror, com monstros, pessoas obcecadas, atrocidades hediondas e aquele sentimento fatalista e fuga à coerência do horror japonês. Mas, enquanto acompanhamos a linearidade deste horror, não podemos deixar de nos questionar se estamos a ler uma velada metáfora, onde o ponto de vista sobrenatural oculta uma história de crime pulp, com contornos psicológicos. Recensão completa em H-alt: Ilha dos Gatos.

O Mistério da Rua Saraiva de Carvalho


Reinaldo Ferreira (2017). O Mistério da Rua Saraiva de Carvalho. Lisboa: Pim! Edições.

Quando, numa noite escura, um vizinho com insónias espreita pela janela e vê uns vultos a arrastar um fardo que se parece suspeitosamente com um corpo nas imediações de um prédio na Rua Saraiva de Carvalho, isso é o despoletar de um mistério que se revelará ter proporções rocambolescas. O estranho acontecimento é apenas a ponta de uma complexa conspiração criminosa, que se revelará ser uma temível organização de espionagem. Um grupo de criminosos liderado por um português renegado que procura enviar para a Alemanha os segredos militares portugueses, vitais nos tempos da I guerra, e que para os obter recorre aos mais mirabolantes estratagemas. O grupo de facínoras será travado pelo incansável Gil Góis, um detetive amador que, intrigado pelo mistério da Rua, arregaça as mangas, investiga, enfrenta os maiores perigos, encontra o amor, e salva as vítimas da temível conspiração.

Não resisto a uma piada histórica: seriam realmente importantes os segredos militares portugueses para o império alemão em 1917, dado o conhecido estado lastimoso do CEP, enviado por uma jovem república que se queria legitimar mas não tinha os meios para o fazer?

Reynaldo Ferreira, repórter de grandes parangonas e verdades duvidosas, foi aquele que talvez entre nós se possa apelidar de verdadeiro escritor pulp. Os seus romances são a metro, com enredos convolutos e cheios de peripécias, mas que se percebe serem escritos sem uma grande visão de conjunto. Interessava encher páginas de jornais e manter o interesse dos leitores, e isso conseguia-se com peripécias constantes e inesperadas. 

Um ponto de interesse deste romance, originalmente publicado como folhetim em 1917, é começar por ser uma espécie de colagem epistolar, feita de vários pontos de vista. A história começa como um conjunto de cartas publicadas regularmente no jornal O Século, onde vários escribas dão o seu ponto de vista sob o misterioso crime, que poderá até nem ser crime e ter uma explicação banal. Umas começam a tornar-se mais prevalentes, escritas pelo tal Gil Góis, que vai narrando carta a carta as suas aventuras. Algo que acontece, suspeito, porque o ter textos muito diferentes torna a sequência demasiado confusa, e Reinaldo Ferreira não era assim tão bom escritor, experimenta a lógica fragmentada mas depressa condensa na narrativa tradicional. Embora, nunca perca o efeito suspense de cortar os textos a meio e encerrar com frases do tipo "não conseguimos publicar toda a carta por ser longa, mas continuamos na próxima edição". Tudo marcas de escrita a metro, e muito eficaz a manter a atenção. Cem anos depois, apesar do artifício ser óbvio, não deixa de nos arrastar.

Intriga uma certa visão de modernidade. A imagem que Reinaldo Ferreira coloca nas suas aventuras é a de um Portugal moderno, cosmopolita, onde as perseguições se fazem de carro e os personagens viajam habitualmente entre a Europa, vivendo aventuras  cosmopolitas, onde o país era palco de conspirações internacionais. É uma visão de escapismo modernista, uma fuga imaginária às realidades de um país pobre e atrasado. No fundo, o eterno sonho das nossas elites intelectuais, aqui utilizado para ficção popular escapista.

domingo, 26 de junho de 2022

URL

Esta semana, destacamos uma raridade bibliográfica digitalizada, antevisões intrigantes da Marvel e o regresso de Mi Tagawa aos leitores portugueses. Fala-se de Inteligência Artificial, de histórias da história da computação, e de uma nova rede social que nos desafia a largar os artifícios. Olha-se para o NFT de Madonna, o uso de psicotrópicos pelos incas e os curiosos indícios do Lago dos Cisnes.  

Ficção Científica e Cultura Pop

[no title]: Do steampunk original.

Semiotext(e), 5(2): SF (1989) [EN, IT]: Há que agradecer ao Monoskop esta preciosidade, uma versão digital da lendária antologia literária de ficção científica vinda da editora que introduziu a filosofia radical francesa nos estados unidos. Impossível de encontrar a preços de vencimento de professor, por isso vai mesmo ter de ser a versão digitalizada.

Neil Gaiman & Armando Iannucci Part Of Amazing August Marvel Comic: A Marvel anda a preparar mais um mega-evento (inserir bocejos)? Ou será um conjunto de one-shots? Mas ter Gaiman envolvido aguça a curiosidade.

Dave McKean Working On Reworked, Remade, Recut Movie, Caligula: Isto soa-me extremamente interessante, se bem que não para todos os gostos. Se o filme original já era polémico, imagino que uma nova versão, não um remake, um restauro com adição de cenas animadas a partir de fotografias e desenhos do realizador, seja também algo que levante sobrancelhas. E, estando McKean envolvido, será também surreal, belo, cativante e inquietante.

Shards of Earth, mucho hype y poco lerele: Venceu um hugo, e é um dos típicos worldbuildings de Tchaikovsky, implacável, quase surreal e vastíssimo. Mas percebo a crítica, o lado comercial da ficção científica impõe este irritante modelo das trilogias, que esticam as boas histórias para enchimento infindo de páginas.

Life As A Book Publisher In Wartime Ukraine: Como é manter uma empresa cultural, em plena guerra, com colaboradores dispersos pela europa, armazéns debaixo de fogo, sem acesso a materiais. Mas um lado positivo, o interesse global pela cultura ucraniana, que se traduz na maior visibilidade internacional dos seus autores.

Get a Look at a Wild, 40-Year-Old Unseen Grant Morrison Sci-fi Comic: A surpresa seria se algo saído da cabeça deste escritor não fosse wild.

Literary Horror Books, recommended by Sue Rainsford: Cinco recomendações de horror literário, entre autores clássicos e recentes.

Peter Greenaway, Cinema’s Most Playful Post-Structuralist: Recordar o trabalho do realizador que é dos maiores estetas do cinema do final do século XX.

A Raposa e o Pequeno Tanuki 3: Ai meu deus, mais uma dose de pura fofura com o traço delicioso de Mi Tagawa. Perdoem-me, mas não resisto, estou rendido a esta série. Como não adorar quer a simpática visão das mitologias, quer os desenhos adoráveis?

You’ve Heard of Wordle, But Have You Tried “Artle”?: Oh my, mais uma distração erudita? Será que me atrevo?

Tecnologia

Gary Norman: Coisas do rock operático.

The Next Version Of Authenticity Online: BeReal?: Os meus alunos já me falaram nisto (nota: os de 13 anos). A BeReal é a antítese das redes sociais, o desafio é publicar o que se faz, em modo aleatório, uma vez por dia. O oposto da aparatosa curadoria dos influencers e trends, com todos os seus artificialismos. 

Quem educa a Inteligência Artificial?: É importante perceber, debater e agir, esta tecnologia não pode ficar apenas nas mãos de governos e empresas. A cidadania no século XXI passa por isto, por encarar de frente os problemas trazidos pelas tecnologias.

Scientists Use Gene Editing to Create Mutant Cockroaches In Breakthrough: Eh lá, pensemos um bocadinho, queremos mesmo mexer no ADN de criaturas capazes de sobreviver a holocaustos nucleares? A ficção científica já nos mostrou no que isto poderá dar. Pensem "planeta dos macacos", mas com baratas inteligentes, descendentes das nossas experiências CRISPR. Não resisti à piada, mas fora de brincadeiras, isto mostra o enorme progresso das ciências biomédicas.

Esto lo cambió todo: el software más revolucionario de la historia según los editores de Xataka: Que programas foram verdadeiramente revolucionários, na história da computação? Sem grande surpresa, parte das respostas olha para a capacidade organizativa e de gestão de dados das folhas de cálculo.

Superpainting: the Story of Computer Paint Systems: Uma intrigante visão dos primórdios dos gráficos digitais, que nos são tão essenciais hoje, mas que na sua génese, atraíam um certo desprezo dos engenheiros.

NFT Pioneer Olive Allen Wants to Introduce the Art World to the Metaverse. Her Vision Looks Nothing Like Zuckerberg’s: Recordar que é possível conceber espaços virtuais muito longe da estética desenxabida que o criador do Facebook quer impor como o futuro que todos desejamos.

The AI and the Tree: James Bridle, como sempre muito certeiro, a recordar-nos do que precisamos exatamente dos sistemas de IA. Não gadgets supostamente inteligentes, mas sistemas de apoio à nossa capacidade criativa. Também muito certeiro na confusão entre "produção de imagens" e "criação artística" que alimenta o corrente deslumbre com algoritmos de criação de imagens, vistos como criativos quando de facto nada disso se passa.

It Takes 2 Clicks to Get From ‘Deep Tom Cruise’ to Vile Deepfake Porn: Sem grande surpresa. Estes algoritmos podem ser aplicados a diversos tipos de conteúdos, e a combinação da perversidade humana com a regra 34 é inesgotável.

Royal Mail Is Doing the Right Thing With Drone Delivery: E para que serve a entrega via drones? Aqui, ela é muito útil, como forma de assegurar serviços regulares de correios em zonas muito remotas.

Kids and Us: the Story of Smalltalk: Confesso que desconhecia que o Smalltalk tinha sido originalmente concebido por Alan Kay como linguagem de programação para crianças. Claramente, tenho de ir analisar o trabalho deste investigador e pioneiro da computação moderna.

Sea Change: Os dados são o novo petróleo, diz o chavão, e África é a nova mina das stacks. Mas para isso, é preciso reforçar a conectividade, e aí entra o forte investimento em cabos submarinos que ligam o continente africano à europa (onde Portugal é um dos pontos-chave de entrada) e américa do norte.

The Problem with Blaming Robots for Taking Our Jobs: O problema é que é uma explicação simplista, que distrai com o argumento de uma suposta ameaça tecnológica os crescendos de desigualdade. 

The Little Big Dogs of Invention: É típico, na história da tecnologia. Invenções que mudaram o mundo, investigadas sem sucesso por grandes nomes e instituições, olhadas com enorme descrença, mas desenvolvidas por criadores que, aparentemente, não receberam a mensagem que não era suposto inventar essa tecnologia.

The Internet Origin Story You Know Is Wrong: Centrar as origens da internet no desenvolvimento da Arpanet é uma simplificação extrema, que deixa de parte outros projetos, outros sistemas. Como os BBS, fóruns digitais que, antes da internet se democratizar, eram o principal foco cultural online.

Reaching Anew: the Story of the First Portable Computer: A profundidade das contribuições dos laboratórios Xerox Parc é enorme. Praticamente todos os grandes passos da tecnologia digital, o interface gráfico, rato, até computadores portáteis, nasceu com os seus investigadores.

Modernidade

The Art Sinner: Estas capas de livros são uma delícia. Já o seu interior, nem por isso.

After 30 years, McDonalds leaves Russia "for good": Recordo as imagens televisivas do primeiro McDonalds em Moscovo, com as filas de russos em convulsão pós-comunista ansiosos por saborear os ícones culinários do capitalismo selvagem. Uma história que termina com este estertor arcaísta, mas mortífero, dos imperialismos à século XIX.

Inca priests used natural antidepressants for nefarious purposes: Se se impressionam com os relatos dos sangrentos rituais Incas, e da aparente alegria dos sujeitos à violência ritual, a resposta passa por isto: cocaína e psicotrópicos.

How I Trained My TikTok: Dá trabalho, mas podemos treinar os algoritmos que analisam a nossa pegada digital para determinar os conteúdos que nos mostram.

Madonna Releases Extremely Explicit NFT Collection: Vá, não é tão explícita quanto isso (embora talvez o seja para a sensibilidade americana). Mas é um pouco, como dizer, foleira. Cringe, mesmo. A curiosidade levou a melhor e fui ver os NFTs da colaboração Madonna-Beeple, e fiquei surpreendido com o mau gosto estético daquilo. São visões de maternidade, criadas com a sensibilidade de adolescentes com excessos hormonais, com um estilo 3D semi-realista num visual de princípios dos anos 2000. Talvez a melhor comparação são aqueles concursos literários muito amadores, com temas supostamente elevadíssimos mas na verdade bem batidos, que se enchem de aspirantes a escritor que procuram elevar ao máximo a sua prosa. Fez-me recordar a fan-art criada no Bryce 3D, partilhada no Deviant Art cerca de 2007.

US Navy To Scrap Its Entire Fleet Of Freedom-Class Combat Warships Because Their Technology Is Already Obsolete: Apetece dizer qualquer coisa sobre reutilização, reciclagem, sustentabilidade, ou comentar o absurdismo das despesas militares. Apesar de, como as pulsões da história contemporânea nos mostram com os autoritarismos e o crime de guerra russo, se vis pacem, para bellum (sim, podemos ser progressistas e pacifistas, mas compreender que o mundo é complexo e há muitas forças obscuras em jogo, temos de estar preparados para defender a liberdade e o progress).

Scientists Discover Nearly 1 Billion-Year-Old Organisms, Possibly Alive: Note-se o possivelmente, nestes vestígios de organismos preservados há milhares de milhões de anos. A vida encontra sempre caminho.

If Russian State TV Suddenly Starts Playing “Swan Lake”, Look Out: Intrigante, a música do bailado como uma espécie de sinal social que permite aos russos dizer e ouvir o indizível.

sábado, 25 de junho de 2022

quinta-feira, 23 de junho de 2022

H-alt: Na Prisão


Desenhado com um estilo gráfico muito pessoal, Na Prisão lê-se como um exorcizar acrítico de memórias e experiências. Registo gráfico autobiográfico, procura serenidade e não a crítica profunda. Mostra-nos que, para muitos, e talvez também para o autor, a opressão do cárcere é uma libertação do fardo do ser. Resenha completa em H-alt: Na Prisão.

terça-feira, 21 de junho de 2022

H-alt: CoBrA: Operação Goa


Através do ângulo da espionagem, este Operação Goa faz regressar à memória um episódio algo esquecido da história portuguesa do século XX. Um excelente trabalho narrativo, bem acompanhado a nível gráfico, uma das boas propostas de leitura do panorama de banda desenhada portuguesa deste ano. Resenha completa em H-alt: CoBrA: Operação Goa.


domingo, 19 de junho de 2022

URL

Esta semana, destacamos o novo Doctor Who, lançamentos de mangá e a recuperação psicológica pós-bom livro. Recorda-se o Clippy, robots artísticos e criatividade baseada em inteligência artificial. Ainda se fala do novo xadrez global, e das bombas de carbono criadas pela indústria petrolífera. 

Ficção Científica e Cultura Pop

70s-pop-80s:Artist: Kazuo Kamimura: O título diz tudo.

4820) "Deus ex Machina": Um olhar erudito para este artifício literário, entre o estereótipo e os desvios.

TOP GUN: MAVERICK, Lady Gaga e o SR-72: Com a estreia por perto, começa a promoção ao novo TopGun. Um filme que até é capaz de se safar bem nos cinemas. O azar dos atrasos nas filmagens induzidos pela pandemia é capaz de ser compensado com um sucesso comercial porque, com a guerra ucraniana, o militarismo voltou a estar na moda. Não espero muito do filme, mas o meu lado de puto de 9 anos interior apaixonado por aviões vai-me obrigar a ir ao cinema, só para ver os F-18s. 

Doctor Who: BBC Introduces Our Next Doctor, Ncuti Gatwa: Já temos o décimo quarto Doctor, e... bem, digamos que o coro de fãs rabiosos que já não lidavam bem com o último Doctor ter sido uma mulher, irá mesmo espumar com a "decadência e rendição ao wokismo" da série. Eu, por mim, só pergunto: Doctor Who é um alienigena que se mimetiza para ajudar uma Humanidade que ama. Porque é que tem de se resumir ao estereótipo do quirky british man? Esta série sempre foi progressista na sua visão, não surpreende esta abertura à diversidade, que, claro, também reflete a evolução dos espectadores e da sociedade em geral. O progressismo também é um mercado a explorar. Por mim, o que interessa é que Doctor Who seja sempre irreverente, quirky, inventivo, e resolva as crises com a sua chave de parafusos sónica.

We Do Talk About John Bruno's Debut Graphic Novel, Navigator: Um livro escrito e ilustrado por um artista de efeitos visuais que trabalhou nalguns dos filmes mais visualmente apelativos dos últimos anos. Pode ser interessante, ou pode não passar de um exercício de estilo.

BBC Reveals Secret "Woke Agenda" with Latest Doctor Who Casting: O Bleeding Cool, brilhante, a gozar com todos os "eu não sou racista mas.." que estão enfurecidos com o tom de pele do novo Doctor (pobres coitados, nem sabem se hão de exultar por já não ser uma mulher, ou derreter-se de fúria). Sim, há discriminação woke em Doctor Who. Para saber qual, terão de ler o artigo...

George Perez, Who Helped Define The Wonder Woman We Know Today, Has Died At 67: Quando comecei a ler comics, fiquei surpreendido com algo de inesperado - a invasão da estética da antiguidade clássica em Wonder Woman. Culpa deste criador, um dos grandes nomes dos comics do século XX.

Various – Thai Beat A Go-Go Volume 1 (Wild And Rockin’ 60’s Sounds From The Land Of Smile!) Garage Beat, Novelty, Luk Thung, Rock & Roll, Funk Music Album Compilation: Sons retro? Mas claro, estas compilações psicadélicas são sempre um delírio. A tocar em alto volume.

How To Recover Post-Great Book: Compreendo o drama, também passo pelo mesmo, quando um livro me agarra ou toca em especial. O remédio? Ler mais livros.

The Best History Books: the 2022 Wolfson Prize Shortlist, recommended by Carole Hillenbrand: Uma interessante lista de excelentes propostas de livros de história. Confesso que o God me deixou curioso, pela forma como parece desmontar os mitos cristãos.

Ilha dos Gatos, de Tokushige Kawakatsu: Ainda com poucos detalhes, mas as propostas da Sendai são sempre inesperadas.

Top Gun: Maverick Review: A High Flying Great Time At The Movies: Suspeito que será um belo filme para desligar o céu, e desfrutar dos aviõezinhos. Cérebro, não céu.

Tecnologia

Bob Larkin: Space opera pura.

Cathode Ray Context: Uma tecnologia hoje relegada para a retro computação, mas que foi essencial para a imagem nos ecrãs, e também com outras aplicações.

Mysterious armed robot tank spotted in Israel: Alguém disse tanques robóticos autónomos? Em Israel, estão a ser desenvolvidos.

Cómo funciona una sencilla sumadora mecánica del siglo XIX, antepasada de las calculadoras portátiles, vista por rayos X: Vá, um docinho visual para os fãs de engenhocas mecânicas. Uma calculadora mecânica a funcionar, vista ao raio-x.

Qué fue de Clippy, el célebre asistente de Microsoft que terminó defenestrado para volver 20 años después: Suspeito que a revalorização recente do Clippy se deva a uma certa nostalgia irónica do passado digital. Talvez, perante a incapacidade de distinguir se o que nos ajuda é artificial ou humano, este regresso a um ícone de ajuda pateta que funcionava mal nos alivie da pressão da inteligência artificial.

El repentino entusiasmo por una sociedad sin efectivo ni cartera física: la meta del geek y el acomodado, un drama para el pobre: Os prós e os contras de uma sociedade sem dinheiro físico, recordando que há pessoas que não têm condições para ter contas bancárias, que a tecnologia avaria (e as notas em papel não), dos riscos de hipervigilância, uma vez que todas as transações digitais são registadas. E, num pormenor curioso, que a experiência sueca de digitalizar ao máximo a sua economia foi revertida, porque a falta de dinheiro físico fez com que, de facto, o estado sueco perdesse um elemento de soberania e controle público sobre a economia.

The Dutch Tax Authority Was Felled by AI—What Comes Next?: Sabemos que o enviesamento de algoritmos é um dos graves problemas da Inteligência Artificial. Este exemplo é exemplar, as autoridades de finanças holandesas demitiram-se, na sequência de um escândalo que trouxe à luz desigualdades induzidas por erro algorítmico na atribuição de subsídios.

Metadados, a lei que nem sabias que existia e uma questão de privacidade: Uma excelente análise à decisão do Tribunal Constitucional em chumbar a lei dos metadados, a partir das denúncias da D3.

How A Smartphone is Made, in Eight “Easy” Blocks: Um olhar para os componentes essenciais de um telemóvel.

Is AI-generated art really creative? It depends on the presentation: Por esta altura, apenas os mais deslumbrados e tecno-optimistas é que ainda acreditam que os algoritmos são criativos (ajuda um óbvio desconhecimento dos conceitos de criativade e expressão artística). O que não quer dizer que não sejam tremendas ferramentas criativas.

A Popular Face Swap App Is Advertising Deepfakes on Porn Sites: Bem, na verdade não é nada de inesperado. As apps que nos permitem criar deepfakes com as fotos e vídeos que quiseremos têm este potencial, que pode levar a muitas situações complicadas. 

Newly-developed lensless camera uses neural network and transformer to produce sharper images faster: A malta já se queixa que as fotos dos mais recentes iPhones são estranhas, porque o resultado é determinado pelos algoritmos. Esta técnica é um passo mais adiante - é o algoritmo de visão computacional que determina o conteúdo da imagem que vê. Há aqui um lado poético, surreal, de visões artificiais que não correspondem ao real, mas sim à interpretação que o algoritmo faz do real.

Throwback: Creative Robotics: Quem disse que os robots industriais não conseguem ser elegantes e graciosos? 

This is the first image of the black hole at the center of our galaxy: Fascinante, contemplar o centro massivo da nossa galáxia. Ciência, no seu mais espantoso.

Google Maps is turning the world into one huge SimCity model: Se isto vos parece magia... uma palavrinha: fotogrametria, alicerçada na enorme base de dados de imagens de satélite e outros dados recolhidos pela Google. É o ingrediente secreto desta tridimensionalização do Maps.

Robots and Humans Make Murals Together: Das possibilidades artísticas da robótica e prototipagem rápida, associadas à criatividade humana.

Modernidade

If magazine, May-June 1970, cover by Jack Gaugh: Algo ominoso.

The best books on NATO, recommended by Mark Webber: Cinco livros para conhecer a história da NATO, a sua importância e significância contemporânea.

When did the Medieval Period End?: Marcar com rigor o fim da idade média é algo curiosamente controverso. Depende da nacionalidade do historiador, da perspetiva com que analisa o mundo.

What Did Medieval Peasants Know?: Desafiar a visão da idade média como um tempo primitivo e obscurantista. Foi complexo, culturalmente rico, e muito turbolento.

Tour Persian Persepolis: Uma nova exposição virtual permite-nos mergulhar na antiga Pérsia, nis seus vestígios arquitetónicos e culturais.

O Massacre de Nanquim: Recordar uma das maiores atrocidades da II Guerra, o massacre selvagem dos habitantes da cidade de Nanquim às mãos das tropas japonesas. Onde, numa curiosa inversão da história, o cónsul da Alemanha nazi na cidade se tornou uma força salvadora, ao garantir refúgio para chineses no consulado e escola alemã da cidade. Um momento incómodo da história, que colide com a imagem do Japão no pós-guerra.

The World Order Reset: Via John Naughton, cujo Memex é uma leitura obrigatória, este muito longo artigo sobre o corrente estado das coisas. Da inesperada fragilidade do imperialimo russo e as suas consequências, ao balde de água fria sobre uma China que esperava uma europa e américa mais decadentes e desunidas, ao ressurgimento da NATO, União Europeia e Estados Unidos face à depredação russa, ao surgir de um mito nacionalista ucraniano forjado no campo de batalha (que, se vos parece coisa típica das patetices dos extremistas de direito, basta olhar para a forma como nos vemos face aos espanhóis para perceber que é, realmente, assim que criam unidades e nações), ao uso de snações e sistema financeiro global como arma, até à fragilidade deste suposto momento de vitória ocidental. É uma leitura longa, que não nos oferece conclusões fáceis, dá imenso que pensar.

Soft Scenes of a Rough Life of Labor: Uma visão de aparente bucolismo, sobre a brutalidade do trabalho precário.

EXTREMACH LOOP EM TALAVERA: Um pouco de eye candy aeronáutico, registo de spotters que visitaram a base espanhola de Talavera.

Man Swims Through Ocean Garbage Patch for Months, Finds Amazing Life: O que não significa que este seja um ecossistema benévolo. Aliás, arrepia a descrição do mergulho em zonas onde o plástico se acumula abaixo da superfície.

U.S. Congressman Proposes Bill To Strip Disney Of Long-Held Copyrights: Comecei a ler isto com uma certa esperança de que se moviam forças políticas para reformar as políticas de direitos de autor mais a favor da cultura livre e aberta. O efeito Disney, a extensão sobre extensão de direitos muito para lá da morte do criador original, tem mantido o rato Mickey sob a sua alçada mas garantido imensos trabalhos esquecidos, orfãos, e um empobrecimento generalizado da cultura (notem, não sou anti-direitos de autor, mas sejamos razoáveis, fazem algum sentido após o falecimento dos seus detentores?). Mas não, a iniciativa vem de um daqueles políticos americanos perfeitamente doidos, que quer cercear os direitos de autor da Disney para travar o que apelida de agenda woke da empresa. Arre que é burro.

INDEX: “Uma bienal ligada à arte e tecnologia promove uma problematização desta área”: Braga é um local interessante no que toca à arte digital, o projeto GNRation tem propostas fantástica. Agora teremos esta bienal, e para enorme azar, não a posso visitar.

Neoliberalism Has Poisoned Our Minds, Study Finds: Daquelas análises que não surpreendem, chama-se a perda progressiva de sensibilidade. 

Revealed: the ‘carbon bombs’ set to trigger catastrophic climate breakdown: Se há artigo a ler, é este. Uma análise implacável, que desmonta a falácia dos discursos ambientalistas de políticos e empresas energéticas. Enquanto publicamente falam do seu compromisso com tecnologias verdes e sustentabilidade, em privado aprovam investimentos massivos na extração de combustíveis fósseis, e gozam dos lucros inflacionados pela situação em que vivemos (a invasão da Ucrânia tem sido um verdadeiro brinde para as petrolíferas). Entretanto, aquecimento global? Alterações climáticas e suas consequências? Que se lixe, certo?

quinta-feira, 16 de junho de 2022

Eyes of the Void


Adrian Tchaikovsky (2022). Eyes of the Void. Nova Iorque: Orbit.

Efeitos da maldição das trilogias, leio recorrentemente nas análises à literatura de ficção científica contemporânea. Os editores gostam de livros nesse formato, o público talvez não, mas vai seguindo os seus autores favoritos. O resultado são histórias que seriam excelentes em livro único, autocontido, a arrastarem-se em vários volumes. Com a maldição especial do segundo livro da trilogia, que costuma ser o mais mal amado: não pode ser suficientemente bom para eclipsar o antecedente e o sucessor, mas também não pode deixar os leitores perderem a curiosidade com o rumo da narrativa.

Eyes of the Void sofre destes males todos. A história lá avança, em direções interessantes. Temos a progressiva ameaça dos Arquitectos, cada vez mais destruidores de mundos. Temos o falhanço das tecnologias que pareciam ter sido bem sucedidas a travar esta ameaça, os vestígios arqueológicos da civilização galáctica extinta que poderá ter criado a infraestrutura necessária para viagens translumínicas deixaram de ser eficientes. A humanidade está à beira de uma rutura, com alguns setores poderosos a conspirar para causar uma guerra, e com isso transformar a humanidade de colónias planetárias numa espécie à deriva pelo espaço em naves-mundo. E, no meio disto, as personagens de sempre, constantemente envolvidas em aventuras. Uma das quais irá revelar a natureza da ameaça,  o seu ponto de origem.

Se o livro desbrava terreno, perde-se imenso em inúmeras peripécias de ação que se percebe terem sido expressamente criadas para encher páginas. Não que o livro não funcione, mas o seu saldo final é menos sumarento do que o volume promete. No entanto, Tchaikovsky é um dos melhores praticantes contemporâneos de Space Opera, mesmo quando está a escrever a metro. Eyes of the Void é claramente uma ponte entre o primeiro e o último livro da trilogia, apontando para um final complexo e explosivo.

terça-feira, 14 de junho de 2022

Insight


Bruno Soares (2022). Insight. Oeiras: Divergência. 

Bruno Martins Soares é um dos nossos melhores praticantes da arte de contar uma boa história. Daquelas que se lê não pela profundidade literária, mas pelo prazer de ser conduzido ao longo de uma narrativa bem urdida. Literatura também é isto, mergulhar numa história bem tecida, onde toda a linguagem está otimizada para agarrar o leitor. Insight, a sua mais recente edição por cá, mostra muito bem essa capacidade, com uma história inesperada, bem ritmada e surpreendente.

Tudo começa numa pacata cidadezinha americana, onde a felicidade de um casal é abalada pela morte da mulher. Uma morte que se parece refletir em especial no jovem filho do casal, assumindo contornos de mistério e sobrenatural com o aparecimento de estranhas pessoas e visões da mulher que, apesar de morta, parece comunicar por linhas de código e jogos de palavras. À medida que os eventos misteriosos se adensam, acabamos por perceber que... ok, paro aqui, se continuar revelo um major spoiler desta história, que vale mesmo a pena ser lido e descoberto. Digamos que quando estiverem a ler o livro e chegarem a esta parte, vão ficar surpreendidos, com uma viragem totalmente inesperada, que troca as voltas ao leitor.

Se a elegância escorreita de uma história bem montada já é em si sedutora, a facilidade com que o autor nos troca as voltas e torna o livro ainda mais divertido. O cérebro fica boa parte da leitura a imaginar caminhos possíveis no sobrenatural, e de um capítulo ao outro é forçado a olhar para a ficção científica de uma forma inesperada, mas que faz todo o sentido. Insight é uma excelente e divertida leitura, bem urdida, que se lê sem se ser capaz de parar.

domingo, 12 de junho de 2022

URL

Esta semana, olha-se para música de videojogos retro, da monotonia nostálgica da cultura pop, e do desaparecimento de Neal Adams. Fala-se dos primórdios do CGI, da aposta europeia no Mastodon e técnicas de visualização de chips em 3D. Ainda se reflere sobre a obra de Almada Negreiros, inesperados efeitos secundários do aquecimento global, e dos abusos da História. Outras leituras vos aguardam, nos links da semana. 

Ficção Científica e Cultura Popular

1974 Dean Ellis cover art for Larry Niven’s A Hole in Space: Estética clássica.

4818) A solidão dos fantasmas: Um olhar para a ficção gótica de Karen Blixen, com uma visão curiosa sobre sexualidade e espiritualidade.

Various – Electronic Toys (A Retrospective Of 70’s Synthesizer Music) Video-Games Synth-Pop Music Album Compilation: Uma compilação de sonoridades inesperadas, vindas das estéticas dos jogos de computador clássicos.

La «paradoja de las predicciones del futuro», en la que el propio Arthur C. Clarke cayó al vaticinar su lista allá por 1964: Talvez o problema seja insistir em predizer o futuro, em vez de apenas extrapolar e antever tendências. Os oráculos raramente se cumprem.

Comic Book Industry Legend Neal Adams Died, Aged 80: Perdemos um dos grandes artistas dos comics do século XX, notável pela enorme elegância do seu traço.

BANG!31: A mais recente edição da semestral, e gratuita, revista portuguesa dedicada ao fantástico já se encontra nas livrarias FNAC de todo o país.

Quando os marcianos vieram, de Edmund Cooper: O Sci-Fi tropical recorda-nos um autor clássico, algo esquecido nos dias de hoje.

Co.Br.A. Operação Goa: Pela crítica do Pedro Cleto, suspeito que terei mesmo de colocar este livro na minha lista de leituras. Por ser banda desenhada portuguesa, que gosto de apoiar, mas também pelo tema, um lado algo esquecido da história portuguesa.

Did von Braun prophesize Elon Musk colonizing Mars?: A resposta é não, não profetizou. No entanto, é uma daquelas coincidências inesperadas que no romance do cientista, o líder marciano se chame Elon.  Na verdade, Project Mars: A Technical Tale é uma exploração das ideias de Von Braun nos domínios da exploração espacial, sob a forma de romance. Como obra literária, é atroz (vão por mim, que li o livro e sei o que sofri); em termos de ideário, idem, aspas, mas não se espera do criador das V2 e Saturno 5 elegância literária. Em termos de projeto, de especulação sobre a exploraçáo espacial, é um trabalho maravilhoso onde o homem que foi um dos pais da astronáutica a sonhar.

David Lynch’s Unfathomable Masterpiece: Um olhar para um dos filmes mais bizarros de Lynch (o que, dado o autor, é dizer muito), agora remasterizado e a regressar aos cinemas.

Star Trek's Iconic 1964 Pilot 'The Cage' Gets a Hologram Recreation: To boldly go where no hologram as gone, before.

Pop Culture Has Become an Oligopoly: Se são daqueles que sentem que a cultura pop está presa num ciclo de nostalgia e reciclagem de ideias antigos, não é uma sensação - é uma tendência. Olhar para a cultura pop de hoje é algo deprimente, surpreende-me ver tanta gente animada ocm os novos Star Trek, ou os inúmeros spinoffs de Star Wars (e é melhor nem falar na estranha moda dos filmes de super-heróis). Estamos a falar de filmes e séries que se sustentam em bases criativas com mais de meia década. Esta é uma tendência pervasiva em toda a cultura pop, instigada pelo lado económico. E que sufoca a possibilidade de novidades, de novas ideias que representem para os dias de hoje o que Star Wars e Star Trek representaram nos dias em que foram uma pedrada no charco criativo da cultura pop. É o que esta cultura de reciclagem corporativa nos retira, o espaço para pedradas no charco.

Tecnologia

Shusei Nagaoka: Utopias

Hiding a photo inside another photo: Uma curta, e bem explicada, explicação da tecnica de estenografia, que permite criptografar uma imagem dentro do código de outra imagem.

Qué fue de las PDA Palm, el eslabón perdido de los smartphones que brilló en los años 90: Fui utilizador entusiasta destes PDAs, uma das primeiras plataformas acessíveis de computação móvel, que nos finais dos anos 90 permitiam fazer o tipo de coisas que hoje se tornaram rotina nos smartphones.

Early CGI Was Horrifying: De facto, sob o ponto de vista estético, grande parte dos filmes experimentais gerados em 3D eram horríveis. Em parte, pelas limitações de uma técnica a ser, literalmente, inventada a cada filme, dentro do hardware pouco potente da época. Mas também por serem criados por investigadores e não animadores, o que explica algumas escolhas profundamente bizarras.

Los 159 mejores cursos gratis online de las diez mejores universidades del mundo en 2022: Muitos destes cursos, em MOOC de acesso gratuito, permitem aprender conceitos fundamentais de tecnologia.

The X-Ray Tech That Reveals Chip Designs: Para analisar o bom funcionamento dos chips, estes investigadores estão a desenvolver técnicas de raios X que permitem uma visão tridimensional do microscópico interior dos circuitos integrados.

"¿Has probado a reiniciar?": la solución mágica de los informáticos no es un mito y hay una explicación técnica: Afinal, o desliga e volta a ligar tem a sua razão de ser. Não resolve (obviamente) erros de hardware, mas ao limpar a memória, resolve os erros acumulados.

How To Find Out Where an Image Came From Using Online Tools: Um conjunto de ferramentas de pesquisa inversa de imagens, muito útil para perceber a origem de uma dada imagem. Especialmente em contextos de redes sociais, onde perfis falsos que se apropriam de imagens legítimas abundam.

Apple Releases Self Repair Kit: Não resisto à piada. iRepair? Se bem que este pivot da Apple no sentido da possibilidade de reparações independentes me parece prenda envenenada, reparar dispositivos com o nível de integração de um iPhone não está ao alcance de muitos.

So long, Wordle—Knotwords is my new daily word-game obsession: Confesso que ainda não me cansei do Wordle (na sua versão portuguesa), mas cometi o erro de investigar o Knotworlds. E fiquei logo agarrado.

Europe Starts Its Own Social Networks: Provavelmente não irão levar muito a sério esta iniciativa, mas é muito simbóloca e significativa. A Comissão Europeia decidiu apostar no mastodon, a rede social federativa, criando a sua própria instância. Faz todo o sentido, não basta legislar e arengar contra as redes sociais comerciais. Há que mostrar alternativas.

El archivo «security.txt» ya es oficialmente el RFC 9116; proporciona información sobre seguridad y vulnerabilidades en los sitios web: Uma proposta interessante, agora normativo, que torna legível a máquinas os dados públicos de segurança dos sites.

For Once, The Long Arm Of John Deere Presses The Right Button: O pulso rijo que as empresas que manufaturam alfaias agrícolas mecanizadas exercem sobre os seus veículos tem sido um enorme ponto de polémica. Especialmente no que toca ao direito a reparar, com as empresas a proibir intervenções externas ou a processar aqueles que, pensando que por terem adquirido as máquinas poderiam fazer delas o que quisessem, violavam os ditames empresariais. Mas, como até um relógio avariado está certo de vez quando, desta vez a capacidade de desabilitação remota do hardware veio a calhar, para castigar saqueadores russos que roubaram material agrícola à Ucrânia.

Scientists Say There’s an ‘Anti-Universe’ Running Backward in Time: Física. Não há volta a dar. Consegue ser mais estranha, na forma como analisa as possibilidades do real, que a ficção científica mais arrojada.

A visit to the human factory: As possibilidades e avanços tecnológicos que sustentam os robots humanóides.

Modernidade


Noriyoshi Ohrai: Recordar que o dia 4 de maio já passou.

Da Troika à República dos Airbnbs: Que modelo de desenvolvimento sustentável queremos para Portugal? Uma sucessão de modas económicas frágeis perante as conjunturas internacionais, enquanto os nossos profissionais bem treinados trabalham fora do país, ou um país com bases sólidas que permitam projetos a longo prazo?

JUSTLX, uma das maiores feiras de arte contemporânea, regressa a Lisboa em maio: Confesso que fiquei curioso, e com vontade de visitar, para conhecer obras e tendências.

Em Alcântara, esconde-se uma estação de comboios que nunca chegou a abrir: Mistérios, segredos ou acasos do urbanismo lisboeta. É curioso que a razão pela qual esta estação não utilizada existe é muito boa. Aquando da construção da linha de caminho de ferro, foi projetada e construída sabendo que, se mais tarde fosse necessária, seria mais simples abrir do que construir de raiz.

Advisor to Ukraine’s President Says Russia Is Preparing a ‘Zerg Rush’: Que, se olharem para a história russa, tem sido essencialmente o seu grande trunfo militar, o afogar o inimigo com multidões de carne para canhão. Funcionou na II Guerra...

‘Brexit ruined my business almost overnight’: UK dealer says his income has plummeted by 60% since Britain left the EU: No shit, sherlock? Parece que afinal, reerguer barreiras dificulta a vida à maioria das pessoas.

Boeing and Saab unveil first T-7A Red Hawk Advanced Trainer jet to be delivered to US Air Force: Diga-se que o novo avião de treino americano é uma aeronave muito elegante. 

Ver de verdade: a representação visual da Liberdade: Um ensaio sobre as iconografias da liberdade, a evolução das imagens e símbolos que associamos a estes ideais.

Putin Isn’t the Only Autocrat Misusing History: Como observa bem o artigo, o orwellianismo de quem controla o passado, controla o futuro, continua bem vivo. É um dos elementos que caracteriza os autoritarismos no palco global, como forma de legitimar regimes repressivos em narrativas de proteção da nação. Uma tática bem antiga, ainda muito usada.

‘Stop Spreading Fake News: The Ghost Of Kyiv Is A Legend’, Ukrainian Military Says: A lenda do ás ucraniano que nos primeiros dias de guerra abateu, sozinho, uma verdadeira frota de aviões russos é apenas isso, uma lenda. O tipo de mitos que surgem nos campos de batalha.

Como Compreendemos o que Lemos: Uma análise aos mecanismos que permitem ao cérebro fazer algo cuja complexidade nem nos apercebemos - descodificar os símbolos gráficos das letras, interpretar palavras e significados.

7 Puzzles That Perplexed People for Centuries: Quebra-cabeças intemporais.

Extreme Drought Will Turn Up Previously Submerged Dead Bodies in Nevada, Cops Say: Resultado: os próximos grandes defensores do ambientalismo serão os mafiosos, que isto do aquecimento global secar os rios onde despejam os corpos das suas vítimas, é algo incómodo. É daqueles pormenores que, se inventado, iria parecer um exagero.

US pushing Portugal to cede some M113 APCs to Ukraine: O apoio português à Ucrânia, pelos vistos, vai ser reforçado.

Painés polémicos de Almada e desenho de Pardal Monteiro: os tesouros de Lisboa fechados nas gares de Alcântara: Uma visita que nos dá um vislumbre dos painéis de Almada Negreiros na Gare Marítima de Alcântara, uma das preciosidades da arte moderna portuguesa, e encerrado num local praticamente inacessível ao público.