quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Pirate Utopia



Bruce Sterling (2016). Pirate Utopia. São Francisco: Tachyon Publications.

Está claro que Bruce Sterling, como se costuma dizer, has gone native. Já se andava a perceber, quer pelos contos mais recentes, quer pelo fascínio no seu blog com o movimento maker e a cultura inter-fronteiriça do norte de Itália e balcãs. Este texano veterano do cyberpunk enamorou-se do espaço de ideias da europa progressista, das cidades centenárias, história e irreverência. Uma certa atração pela ideia de uma Europa como zona de progresso social, humano e técnico já se notava nalguns dos seus romances (recordo, por exemplo Holy Fire) mas agora que fincou raízes no makerspace de Turim e se divide com Belgrado, o fascínio é confesso e torneia a sua obra, por pouca que seja. Sterling, nos últimos anos, tornou-se um pós-escritor, guru da modernidade que se alicerça num poderoso currículo literário para transmitir as suas ideias, sem que tenha nos últimos produzido obras de fôlego. Longe vão os tempos de Schismatrix ou The Difference Engine.

Curiosamente, este Pirate Utopia ocupa o mesmo espaço conceptual de Difference Engine, o romance a quatro mãos (com William Gibson) que se tornou pedra basilar do steampunk. Pirate Utopia inspira-se numa época e local muito específicos da história europeia, levando o leitor a um delirante e se que mistura figuras históricas e a vertigem do futurismo. Não o de especulação informada sobre futuros, mas o movimento artístico de quebra conceptual com o passado e fascínio pela aceleração mecânica que nasceu em Itália nos primeiros anos do século XX.

Com o fascínio que só quem vem de fora consegue transmitir sobre momentos históricos e culturais a que os nativos de uma cultura sempre viram como normais, Sterling diverte-se a projectar um caldo fervente de futuristas, anarco-sindicalistas, comunistas e outros vibrantes movimentos de mudança na cidade de Fiúme, actualmente Rijeka, transformada numa zona autónoma temporária no final da I Guerra. A revolta de italianos com a entrega da cidade ao recém-fundado reino da Jugoslávia levou um grupo de ardentes patriotas liderado pelo poeta D'Annunzio a tomar a cidade. Na história real, foi coisa que durou pouco, e depressa se metastizou no fascismo de Mussolini, para onde também migraram os ideias de muitos futuristas. Aqui, nesta fantasia de Sterling, D'Annunzio consegue manter Fiúme como cidade portuária e pólo de atracção de todos os rebeldes europeus, que se juntam para criar utopias sociais. Entre estes, encontra-se um antigo engenheiro militar italiano, que depois de passar a guerra a manter as máquinas de combate operacionais no rigor da frente alpina, vai para Fiúme fundar um bando de piratas especializados no roubo de tecnologia e, detentor de uma fábrica de munições abandonada em parceria com uma rija austro-italiana cujo marido se anda a divertir pelas ruas de Viena e Munique em putschs com um certo cabo alemão de bigode inconfundível, se dedica a inventar temíveis torpedos aéreos, a arma decisiva do futurismo. É o mote para uma aventura desconexa com piratas, operárias sindicalistas, líderes rebeldes iluminados como poetas-guerreiros, comunistas que não sabem conduzir carros blindados, condessas italianas amantes de arte radical, e missões de espionagem americanas lideradas pelo ilusionista Houdini e por um escritor de Providence que largou as trevas arcanas da sua imaginação para se dedicar à publicidade, colaborando num projecto secreto místico e tecnológico desenvolvido em Manhattan.

Sterlig cruza nesta intrigante novela elementos das suas vertentes de intervenção cultural. Propriedade intelectual, progressismo social e tecnoluxúria cruzam-se com ecos de vibrantes movimentos culturais do passado, pontos absurdos da história recente e a sensação que coisas interessantes se passam nas franjas do calmo continuum do devir histórico. Não é Sterling no seu clássico melhor, é um mestre à procura de uma nova voz, e a mostrar que claramente se diverte com o processo. A completar o livro estão ilustrações de John Coulthart inspiradas nas estéticas futurista e construtivista, que replicam um pouco do fascínio pela vertigem mecânica afirmado por Marinetti no seu clássico manifesto. E se dúvidas persistem sobe Sterling se ter tornado nativo, há coligida no livro uma fantástica entrevista onde o veterano do cyberpunk discute a história turbulenta do século XX na europa meridional e a importância da fantascienza enquanto género de fusão entre FC, ficção especulativa, fantasia e fantástico.

Sem comentários: