segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Maker Faire Lisboa: dias 2 e 3.


Robot Zeco quer ser amigo?


Quando o Theremin inventou este instrumento musical estaria longe de imaginar as insanidades de hardware do AltLab.


A Prusa Hephaestus da bq imprime com uma belíssima resolução. O extrusor deve ser muito preciso e a calibração cuidada para sair uma impressão 3D destas.


Teste ao Oculos Rift, cortesia do Mafralab. Primeiro impacto: wow! Segundo impacto: estou a ficar com tonturas. A demos era simples, a partir do Google StreetView estávamos no centro de Mafra, a olhar para o Convento, mas ao virar a cabeça a percepção era a que teríamos se estívessemos no local real. Foi tão requisitado que o hackerspace teve de fingir uma avaria para acalmar os visitantes.


Esculturas generativas misturando 3D capture em Kinect, algoritmos de swarm e 3D printing. Uma intersecção entre arte, tecnologia e matemática.

Alguns detalhes de uma enorme vastidão de projectos expostos que mostram que a tecnologia criativa ganhou ímpeto por cá. Algo que já notei no mundo da educação de forma incipiente mas cuja explosão noutras áreas esteve patente nesta mostra. A quantidade de talento e inventividade era estrondosa e a diversidade extraordinária, apesar do forte pendor para a impressão em 3D. Estando dentro, a apresentar uma pequena contribuição, não pude visitar com calma os vários expositores. Fiquei reduzido a umas fugas nos raros momentos em que a zona onde estava ficava mais calma. Mas ficou assente que há muitos a fazer muita coisa, A desenvolver, investigar, experimentar, modificar, recriar. É um misto de invenção com reapropriação e expressão artística.

Sem comentários: