quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Dylan Dog: I Sonnambuli; ... E Lascia Un Bel Cadavere; Color Fest #09.


Andrea Cavaletto, Luca Dell'Uomo (2013). Dylan Dog #327: I Sonnambuli. Milão: Sergio Bonelli Editore S.p.A..

Uma desapontadora e patética aventura de Dylan Dog. Uma vaga de assassínios cometidos por sonâmbulos alastra por Londres e o sempre temeroso inspector Bloch pede a ajuda de Dylan para resolver o caso. Sem grande esforço lá descobrem que os sonâmbulos assassinos passaram por uma clínica privada cuja equipe médica decidiu fazer experiências de indução de sugestões durante o sono dos pacientes. A história lê-se, sempre vai entretendo com o policial banal, mas a ilustração falha. Percebe-se que é trabalho apressado, não há qualquer cuidado com os enquadramentos e a narrativa. O melhor mesmo é a capa.


Giovanni diGregorio, Giovanni Freghieri (2013). Dylan Dog #329: E Lascia Un Bel Cadavere. Milão: Sergio Bonelli Editore S.p.A..

O título é uma referência à célebre frase de James Dean live fast, die young and live a pretty corpse e assenta como uma luva numa história sobre as luzes da ribalta. Dylan é contratado por um agente de estrelas da televisão e da música, preocupado com o mal estar existencial que abate as personalidades mais famosas que representa. Estas tornaram-se meros invólucros, caminhando a passos decisivos para suicídios que lhes preservarão a memória da beleza, juventude e auge do talento sem o acréscimo da decadência da velhice. Eventualmente Dylan traça a origem deste ennui assassino a um fotógrafo obcecado por fixar o brilho das estrelas que fotografa, e que acaba por incorporar nas suas fotografias aquele antigo medo de que um retrato rouba a alma do retratado. Descoberto, tem de ser ver a contas com o agente que se revela como um diabito à moda antiga, irritado porque a obsessão do fotógrafo lhe rouba as almas que tanto trabalho deram a conquistar com promessas de fama e sucesso. Este é um pormenor final patético e desnecessário numa aventura que é uma curiosa reflexão sobre a vacuidade da fama e a obsessão mediática pelo sempre transiente belo.



(2012). Color Fest #09. Milão: Sergio Bonelli Editore S.p.A..

Quatro aventuras do detective dos pesadelos, uma bastante absurda, uma muito bela, e duas com partes encantadoras. Estas também se caracterizam por uma grande expressividade no traço dos ilustradores, algo raro de ver na produção massificada do fumetti.

Quell'hotel sulla spiaggia: Depois de um quase mortal recontro com um inimigo, Dylan vai repousar para um hotel à beira mar. Daqueles hotéis míticos ingleses em soturnas estâncias de mar gelado satirizados em Fawlty Towers, cheios de estranhos hóspedes. Dylan começa a sofrer alucinações com a morte violenta dos habitantes do hotel, até se aperceber da verdade: está ainda na fase decisiva do recontro com o inimigo, e as suas vítimas levam-no para um tempo onírico para lhe dar a força necessária para se defender e triunfar. Esta premissa ridícula baliza aquela que é uma belíssima história de hotéis assombrados onde cada abrir de porta pode revelar um novo horror.

La tomba di ghiaccio: Dylan é contactado por um jovem cujos sonhos são assombrados pelo espectro da recentemente falecida namorada. Sentindo que esta não está em paz Dylan sonha com ela, perdida em espaços gelados. O narrador distante explica-nos. Após a morte o seu corpo foi doado para experiências biomédicas de criogenia. A história termina com a mulher a acordar de um longo sono gelado nas ruínas de uma Londres futura.

Il bottone di madreperla: Um conto delicioso. Uma viúva, dona de uma loja de botões, suspeita que esta está assombrada por gremlins. Todos os dias, antes de abrir, depara-se com o recheio espalhado pela loja. Dylan não consegue perceber o que poderá causar os estranhos eventos, mas acaba por simpatizar com a senhora e jantar em casa dela, onde ouve as história do seu grande amor pelo marido falecido e a incapacidade de ter filhos. Horas depois, falece e Dylan percebe que o espírito vigilante do marido manipulou a situação para que na última noite na terra da mulher que ama esta pudesse sentir a sensação sempre negada de cuidar de um filho.

Anime senza pace: Almas sim, mas não do que se espera. Um edifício no centro de Londres sofre uma verdadeira infestação de assombrações. Dylan investiga e embrenha-se no subsolo, onde descobre um estranho mistério: um foguetão soterrado, assombrado pelos espíritos dos tripulantes alienígenas, mortos por engano durante a II guerra. Aterraram em Londres para ajudar mas são confundidos com agentes nazis saídos de alguma possível variante de uma bomba voadora V2. As assombrações são um pedido de ajuda, tentando atrair alguém que lhes reactive a nave espacial para que esta transporte as suas almas para o seu planeta de origem.

Sem comentários: