terça-feira, 8 de outubro de 2013

Appetite for prophecy


"In times of social uncertainty and psychological hazard readers need new ideas, new ways of making sense of their world. There's an appetite for prophecy and truthful exploration of the mess we're making, politically, ecologically and economically." Andy Hedgecock arranca a Interzone #248 com um editorial reflexivo sobre o ténue equilíbrio entre o estilismo literário e a preocupação social na FC, observado que se esta tem mais impacto depressa perde o toque contemporâneo, enquanto o estilismo corre o risco de saber a vazio. Se bem que a FC, atendendo ao carácter especulativo, terá sempre um forte pendor para a vertente social. Implica que depressa se torna datada mas nem por isso perde valor, porque nos permite olhar para trás na continuidade histórica e perceber com outras lentes as preocupações que caracterizaram outros momentos históricos.

Reflexão pertinente, e esperemos que depois do desastre da edição #247 o conteúdo corresponda às intenções.

Tenho o hábito de deixar a ficção para o fim e começar por saborear as críticas literárias e as colunas de Dave Langford e Jonathan McCalmont. Langford é um vício, e nunca resisto às Thog's Masterclass. Nem aos comentários de fina ironia. Desta vez o editorial intrigou. Aliás, que me recorde é a primeira vez que leio um. Pode ser o cansaço a fazer falhar os neurónios que armazenam as memórias específicas aos editoriais da Interzone. O que francamente espero é que esta edição esteja melhor do que a anterior. E isso não depende de grandes nomes a ancorar a capa. Espera-se vozes novas deste género de publicações e não é expectável que escritores a desenvolver as suas ideias, ferramentas narrativas e espaços conceptuais criem perfeição nas primeiras palavras. Por outro lado critérios de qualidade mínima, ou quando muito de adequação temática, são expectáveis. Se apanhar com outro conto com sapos-ceo a combater intrigas financeiro-palacianas com ajuda de IAs restritas ocultas em seixos, reavalio seriamente o coleccionar a revista.

Sem comentários: