quarta-feira, 3 de abril de 2013

Poesia automática


Traduções automáticas dão-nos intrigantes surpresas. Não faço ideia do que está escrito em alemão, mas o motor de tradução transformou a coisa numa espécie de poesia dadaísta. A justaposição de densidade, neurótica e cidade dão-lhe um toque ballardiano. Surrealismo automático, cortesia dos algoritmos de tradução.

Sem comentários: