segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

The Next Logical Step



Ben Bova (1962). The Next Logical Step.

Mais um texto para a colecção de antevisões da realidade virtual. Neste conto de Ben Bova cientistas criam uma máquina capaz de simular com detalhe e na perfeição uma guerra, desde os primeiros desacatos diplomáticos à troca de mísseis atómicos, colapso da sociedade e sobreviventes que se arrastam selvaticamente através das paisagens em ruínas, combatendo uma guerra já sem sentido. A máquina funciona por indução de imagens no cérebro, e estas são tão horripilantes que o plot twist do conto é deixar cair esta arma secreta nas mãos soviéticas por causa dos efeitos pacifistas da exposição a esta virtualidade. Uma temática típica da guerra fria, publicada originalmente na Analog em 1962 e que antecede o desenvolvimento mais futurista em The Dueling Machine, uma expansão do conceito de guerra virtual. O texto está disponível no Projecto Gutenberg, em diversos formatos.

E nestas citações as visões de um Bova influenciado pelos computadores digitais em mainframe:

""And you also know, I suppose, that it was built to simulate actual war situations. We fight wars in this computer ... wars with missiles and bombs and gas. Real wars, complete down to the tiniest detail. The computer tells us what will actually happen to every missile, every city, every man ... who dies, how many planes are lost, how many trucks will fail to start on a cold morning, whether a battle is won or lost ..."

General LeRoy took over. "You sit at the machine's control console. A helmet is placed over your head. You set the machine in operation. You see the results.""

Dois conceitos interessantes: o de simulação e utilizar um capacete para imersão no espaço virtual.

""Yes," Ford went on. "Instead of reading rows of figures from the computer's printer ... you actually see the war being fought. Complete visual and auditory hallucinations. You can watch the progress of the battles, and as you change strategy and tactics you can see the results before your eyes.""

A simulação, explicada: dar corpo aos dados frios através da recriação de espaços, pessoas e objectos.

"He was poised incredibly somewhere in space, and he could see it all in a funny, blurry-double-sighted, dream-like way. He seemed to be seeing several pictures and hearing many voices, all at once. It was all mixed up, and yet it made a weird kind of sense.
For a panicked instant he wanted to rip the helmet off his head. It's only an illusion, he told himself, forcing calm on his unwilling nerves. Only an illusion.
But it seemed strangely real."

O primeiro embate com o realismo virtual. Ficção científica dos anos 60, a antever os espaços virtuais a que já nos habituámos nos jogos e mundos virtuais online. Quanto a jogos de guerra simulados no computador, a história da tecnologia é vasta e vai dos simuladores de voo electromecânicos a adaptações do jogo Doom, jogos dedicados desenvolvidos para o efeito, sistemas CAVE com adereços realistas a mundos virtuais de simulação com inteligência artificial. Ao contrário do que Bova predisse, não consta que estas simulações marciais tenham provocado surtos de pacifismo.

Sem comentários: