segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Impressões

Terminou o Fórum Fantástico com um final em grande e a promessa de nova edição no próximo ano. Antes de sair das fantasias e ficções para regressar ao mundo real, algumas impressões:

A banca da Dr. Kartoon, cheia de maravilhas da banda desenhada. Livros de Steve Ditko, Alex Raymond, I.N.J. Culbard entre outras delícias da banda desenhada.

António de Macedo ao falar de ficção científica confessar-se desiludido com Júlio Verne e deslumbrado com H. G. Wells. Confesso que também não acho Verne assim tão importante e quanto a Wells, esse sim, compreendia as transformações que a cultura científica e tecnológica provocaram na sociedade.

Filipe Homem Fonseca a falar en passant do Daredevil escrito por Frank Miller como um dos melhores momentos de sempre nos comics, e a recordar as revistas da Abril, responsáveis pelo despertar da paixão dos comics em muitos de nós. Foi assim que adquiri o vício dos quadradinhos.

O vir à mente a imagem dos quadros pintados em Giverny por Monet ao rever o fortemente impressionista início da curta metragem Conto do Vento da Koto Studios.

Descobrir que foi feita uma análise fotograma a fotograma que provou que os acontecimentos da curta A Curva são reais, algo que surpreendeu imensamente o seu realizador, David Rebordão.

Perder a conta ao número de vezes que João Barreiros usou a palavra seca para qualificar o 2312 de Kim Stanley Robinson. Foram muitas. Foram mesmo muitas.

João Campos a apostar nos clássicos da FC. Deslumbrados pela incessante barragem de novidades literárias, é sempre bom recordar as obras basilares que definem o género.

João Barreiros a mostrar o golfinho incrustado na primeira página de uma das suas sugestões de leitura, um livro sobre golfinhos electrónicos que se infiltram no cérebro dos utilizadores e tratam ideias e memórias como software. Barreiros vira-se para mim e mostra-me o bonitinho golfinho azul colado no interior do livro. Porta 8080, comento. Ninguém percebeu. Nem reparou, certamente.

Folhear as páginas amarelecidas de uma edição original de La Guerre Infernale de Albert Robida que João Barreiros levou ao palco na apresentação de Lisboa no Ano 2000. Há um encanto especial no acto de segurar e folhear livros centenários que só os bibliófilos compreendem.

No meio de uma apresentação descontraída e divertida da sua obra ouvir Dan Wells dizer you don't actually perceive reality, you perceive what your brain tells you it's reality.

Luís Filipe Silva a mostrar-nos vestígios arqueológicos da ficção científica portuguesa. Ponto comum: eram obras fortemente misóginas, reaccionárias, eugenistas e preocupadas com visões de utopias totalitárias férreas onde as decisões de respeitáveis sábios asseguravam o bem-estar das pessoas de bem.

Pérolas literárias da proto-FC portuguesa, cortesia do trabalho de Luís Filipe Silva: "Lisboa ardia, abraçada ao sopro febril e violento das cupidas paixões operárias, do desbordar dos instintos livremente expandidos. Os impulsos animais, longamente contidos no íntimo das mais baixas camadas, vinham à superfície, e feitos vagas, atiravam-se com fúria doida, destruindo e arruinando." Ou torpor letárgico a descrever o primeiro uso do conceito de criogenia na ficção portuguesa. Ou melhor, uma descrição de Plutão estranhamente similar ao planeta Terra numa mal velada metáfora aos momentos incertos da II Guerra. Com uma diferença crucial: a geografia natural era geométrica, como se traçada a régua e esquadro.

Nuno Amado a apresentar o interessante projecto Zakarella observado que a personagem estava ao seu gosto... enquanto no ecrã se via a dita, com curvinhas perfeitas e seios avantajados. A banda desenhada e as mulheres ideais dos sonhos adolescentes... mas diga-se que fiquei convencido. E curioso.

A descoberta de Capitão Falcão, que não tinha visto no MoteLX. É... genial. No panorama audiovisual português dificilmente passará de vaporware, mas pelo menos fica para a história o brilhante episódio piloto, com um humor que revisita a história contemporânea, os lugares comuns da propaganda fascista e ideários absurdos canalizados numa perfeita homenagem aos filmes de kung fu dos anos 70 e o lendário Batman de Adam West. Gostei particularmente do pormenor de sempre que Salazar falava ouvir-se Wagner como banda sonora. Gotterdammerung, se não estou em erro.

Sem comentários: