domingo, 20 de maio de 2018

URL



Multiplicity: A cidade de Paris, vista em simultaneidade pelos milhões de olhares partilhados no Instagram. Essencialmente, a dèrive situacionista amplificada pela lente do telemóvel: "Today, we collectively and continuously document our city experience on social media platforms, shaping a virtual city image. Multiplicity reveals a novel view of this photographic landscape of attention and interests. How does Paris look as seen through the lens of thousands of photographers? What are the hotspots of attraction, what are the neglected corners? What are recurring poses and tropes? And how well do the published pictures reflect your personal view of the city?"

João Abel Manta: um problema difícil: Pedro Piedade Marques, designer e historiador da edição em Portugal, recorda a personalidade do pintor e ilustrador que nos legou as imagens icónicas do 25 de abril.

Our fiction addiction: Why humans need stories: De facto, o Épico de Gilgamesh não só é similar em temas e estrutura aos sucessos da cultura popular, como as suas palavras ainda nos fazem sentido, séculos após séculos da sua fragmentada origem suméria. O mesmo pode ser dito de outros textos fundadores da literatura mundial, ou as histórias vindas da noite dos tempos que perduram nos mitos e tradições. Não resisto a citar Doctor Who: "we're all made of stories in the end, just make it a good one".

Ink-Stained Pixels Uma breve história dos leitores de livros eletrónicos antes da predominância dos Kindle. Esqueceram-se do Memex de Vannevar Bush, e esquecem que há mais leitores de ebooks para além dos Kindle, resmungo eu como ex-dono de um Cybook, e agora leitor inveterado num Bq Cervantes. Curiosamente, o texto do livro na imagem (um Rocket eBook, nunca tive nenhum mas gostaria de ter tido) recorda-me que um dos primeiros livros que li em formato eletrónico, no meu clássico (e ainda funcional, se o ligar) PalmPilot, foi o mesmo First Men on the Moon de H.G. Wells que está na foto, disponibilizado pelo Projecto Gutenberg.

 
50 Pulp Cover Treatments of ClassicWorks of Literature - Guns, Broads, Beefcake, Literariness
: Os divertidos resultados de emparelhar grandes clássicos da literatura com capas da estética pulp. Há ali pelo menos um livro, o de Edgar Allan Poe, que de certeza que tem edições com capas de horror pulp.

Did Math Kill God?: Compreender a matemática como a linguagem que nos permite descrever as estruturas do universo abalou o poder dos mitos e religiões sobre a sociedade humana: "mathematical analysis, with its “abstract and functional thinking about natural processes,” would ultimately rid science of any lingering religious beliefs. As a result, “a new mindset, the analytical temper, was in the making.”

Sci-Fi’s Mind-Blowing Cities Never Fail To Fascinate: O fascínio do espaço urbano nas visões da Ficção Científica.

After Math: Robot revolutionaries: Drones controlados por criminosos para impedir operações comerciais, empresas de ride sharing a apostar em automóveis autónomos, robots kawaii que nos conquistam.

I watched an entire Flat Earth Convention for my research—here’s what I learned: O objetivo? Perceber como a desconfiança da ciência se tornou uma forma de rebeldia contra as instituições clássicas.

How to Make Sense of Digital Transformation 2.0: Dizer que a economia e sociedade serão irremediavelmente transformadas pela robótica, big data e inteligência artificial é hoje um cliché. Mas como é que se processa essa adaptação ao digital nas organizações? Um guia sóbrio, neste artigo.

Sem comentários: