quarta-feira, 2 de maio de 2018

Lines of Departure



Marko Kloos (2014). Lines of Departure. Seattle: 47North.

Se o primeiro livro desta série tinha o seu quê de heinleinianismo modernizado, este segue mais na onda  Forever War, focado em guerras intermináveis, embora sem tanto desenvolvimento introspetivo das personagens. Afinal, isto é FC militarista pura, não se espera uma grande profundidade sentimental.

Apesar da sua superficialidade, o autor tenta gastar algumas páginas a aprofundar a relação dos dois grandes personagens da série, o soldado Andrew e a piloto Halley, fazendo evoluir a sua relação e mostrando um pouco da vida na Terra sobrepovoada. É sol de pouca dura, esta fase despacha-se depressa para nos levar o que interessa, a sucessão de aventuras em combate. Afinal, a Terra está a perder uma guerra interestelar com uma civilização alienígena que captura metodicamente as suas colónias terraformadas, e para piorar a situação, a ameaça de extinção não parece ser suficiente para unificar as diferentes fações terrestres. O soldado Andrew tanto se vê em combate contra alienígenas como contra russos e chineses. É um ponto de vista anormal, o expectável é que neste tipo de ficções as partes desunidas se unam para derrotar ameaças externas, mas Kloos não segue este caminho até ele se tornar inevitável.

Andrew será mergulhado numa sucessão de missões violentas. Primeiro, em missões retaliatórias  contra os mundos capturados pelos alienígenas. Em seguida, numa conquista de colónia sino-russa, que corre muito bem até ao aparecimento de uma nave alienígena em órbita. Para salvar a vida, Andrew é obrigado a desobedecer a ordens, e ao regressar à Terra sofre consequências. É embarcado como parte de uma missão secundária, de contornos penais, que despacha para um rochedo esquecido um grupo de soldados que revelaram atitudes rebeldes, entre os quais a comandante da sua primeira unidade militar. A situação no rochedo quase se torna de guerra civil, quando se descobrem abandonados pelas lideranças que fecham os pontos de acesso super-lumínicos, que os alienígenas sabem utilizar para capturar as colónias terrestes. Uma tentativa mal concebida de militarizar as zonas civis leva a um  motim, e a combate aberto entre forças terrestres. Como este livro é uma sucessão contínua de peripécias, mal esta situação fica resolvida e os nossos heróis deparam-se com a presença de uma nave alienígena no seu sistema, e conseguem o impossível, aniquilando a nave. O livro termina com uma revelação terrível, vinda de uma frota combinada de sobreviventes sino-russos e norte americanos, que revela a presença de alienígenas no sistema solar, com Marte ocupado e a derrota terrestre iminente.

Este livro é pouco mais do que uma sucessão de descrições de acção militar, algo que Kloos faz muito bem, com um ritmo imparável. O livro não é especialmente profundo, mas é bem escrito e diverte o leitor.

Sem comentários: