terça-feira, 23 de maio de 2017

Ark of the Stars



Frank Borsch (2015). Perry Rhodan Lemuria #1: Ark of the Stars. Rastatt: PMW

A série Perry Rhodan não pretende ser mais do que o que é, uma série de FC de entretenimento, essencialmente uma longa e interminável Space Opera onde o imortal Rhodan vive sucessivas aventuras. A escala da série é cósmica, como não poderia deixar de ser com mais de quarenta anos de publicação mensal regular. São raras as suas incursões fora do espaço germanófilo, e esta edição de cinco livros da recente série Lemuria em inglês uma boa surpresa para aqueles que são fãs do personagem mas incapazes de ler em alemão.

O início de Lemuria coloca Rhodan a bordo de uma nave de prospecção numa zona disputada da galáxia. Por acaso, cruzam-se com um misterioso artefacto nas vias espaciais, que se revelará ser uma nave geracional lemuriana. Partida há milénios do planeta que se viria a tornar a Terra, representa um vestígio vivo de uma civilização antiga, que nos mythos de Rhodan surgiu na Terra, se espalhou pelo espaço, e colapsou em guerra com alienígenas invasores. O seu colapso deixou vestígios, sendo os lemurianos antecessores dos humanos na Terra, e das suas colónias sobreviventes evoluíram as principais civilizações alienígenas humanóides da série, Arkon e Akon.

Esta é uma história contada em múltiplos pontos de vista. Mergulhamos dentro do mundo fechado da nave lemuriana, onde nos deparamos com uma sociedade fossilizada e regredida, que desconhece e teme o mundo exterior, controlada pelo computador de uma nave que, com o passar dos milénios, cada vez mais mostra sinais de degradação. O computador é implacável a perseguir aqueles que se desviam da linha de comportamento por ele definida, especialmente com quem se atreve a contrariar o dogma do perigo das estrelas. No entanto, com os sistemas em falha progressiva, os habitantes da nave têm de ser capazes de sair da nave e colonizar um planeta.

Por outro lado, temos os terrestres prospectores, surpreendidos pelo artefacto e dispostos a investigá-lo, reclamando-o como seu. Uma pretensão travada por uma nave Akoniana. Os rivais dos terrestres também reclamam a nave lemuriana, e resta a Rhodan mediar entre representantes de civilizações antagonista para exploração conjunta da nave. Ao iniciar a descoberta dos seus mistérios, uma frota de combate akoniana toma conta da situação, e Rhodan vê-se obrigado a recuar. Sendo o primeiro de uma série de cinco livros, o recuo é apenas uma peripécia ao longo dos episódios.

Sem comentários: