segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Comics


 Hellboy in Hell #07: Metódico, e longe da espectacularidade a que estava obrigado durante a sua época de maior sucesso, este regresso de Hellboy foge às rotinas seguidas pela série B.P.R.D. e regressa às raízes do personagem: histórias de horror sem continuidade novelística e o traço pessoal de Mike Mignola. Matar o personagem e retirando-o das publicações contínuas foi uma decisão sensata, que permite que este não se dilua como tantos outros grandes personagens dos comics.


2000AD #1945: Terminou o episódio, mas regressará. Hellium é FC pura com um traço de beleza admirável, e o mundo ficcional é demasiado abrangente para se ficar por um único episódio. São histórias como esta que mantém a 2000AD como título de referência nos comics. Quando se dedica à FC, fá-lo com estilo.


Mind MGMT New MGMT #01: Apesar de um belíssimo final, não resisto a dizer ufa, que já terminou. A parábola de Matt Kindt sobre agentes secretos e poderes especiais que manipulam o mundo nos seus bastidores teve momentos excelentes, mas ao longo de três anos o prolongamento da sua resolução final tornou-se cansativa. O que se manteve sempre consistentemente brilhante foram as vinhetas iniciais e finais, pérolas de um fantástico onde Le Carré se cruzava com Borges.

Sem comentários: