sexta-feira, 27 de março de 2015

Outras Literaturas


Leio isto e fico com aquela sensação de que mais uma vez uma instituição tida como séria e irrepreensível olha, com condescendência, para o que considera parafilias artísticas que até divertem pelo seu quê de freakshow: "Mas que outra literatura é esta que associa ao progresso tecnológico o thriller policial, o fantástico e o terror? É a Ficção Científica (FC) (...)". Como diria o David Langford, how the others see us...

De qualquer forma, é de destacar este evento na Gulbenkian que trará Banda Desenhada, Ficção Científica e Policial a um espaço mais conhecido pela vanguarda das artes contemporâneas. No caso da FC conta com convidados de peso: João Barreiros e Lauren Beukes. O brasileiro Fábio Fernandes desconheço e a moderadora Fátima Vieira, se não me falha a memória, é docente universitária especializada em utopias e cruzei-me com ela no primeiro workshop de Visões de Utopia. Aquele cujos resultados nunca mais organizo num epub. Parece ser receita para um painel muito interessante, especialmente sabendo o quanto Barreiros costuma deixar chocadas as audiências mais incautas.

Também interessante parece o painel dedicado à Banda Desenhada, se bem que nesse dificilmente poderei ir assistir. Dia 16 de maio já está marcado na agenda este colóquio integrado na iniciativa Próximo Futuro, que habitualmente traz a Lisboa uma amostra da arte contemporânea emergente. Boa descoberta esta da Cristina Alves no seu Rascunhos. Mas que outra literatura é esta que associa ao progresso tecnológico o thriller policial, o fantástico e o terror? É a Ficção Científica (FC)  tiva 

5 comentários:

Rui Bastos disse...

É bom ver a iniciativa, mas essa "outra literatura" também me faz alguma comichão.

Acho que a única solução vai ser um dia o pessoal do Fantástico assumir que é diferente, isolar-se, e tornar-se num exército revolucionário!

Cristina Alves disse...

A descoberta foi mais um anuncio do João Barreiros num grupo de troca de opiniões livrescas :D

Concordo com o que dizes,mas enfim. Por alguma razão a palavra ficção científica ficou associada a gaijos (propositadamente com i) estranhos fechados em bunkers a fazer uma mistura de hording com teorias da conspiração. E a partir daí sempre que se fale com ficção científica não se evita aquele olhar estranho.

artur coelho disse...

cá pelos meus lados é mais o maluquinho dos foguetões que se atura porque dá jeito quando o computador avaria (e tendo em conta o nível negativo de literacia digital dos meus colegas já perdi a conta aos "isto avariou de vez" "olha que não, meteste a mala em cima do teclado")...

Cristina Alves disse...

LOL. apesar de pouco saber de hardware as xs tb sou alugada pela minha mae à vizinhança. Então depois de uma descarga de energia era o ritual da praxe. entrar, desligar interruptor atras do pc, voltar a ligar e voila.
Ha dias no trabalho fizeram uma partida genial - trocar duas teclas do teclado. E trocaram também as do colega do lado (assim, caso comparassem, estava igualzinho). detalhe, acertaram nas letras da password. foi um festival.

artur coelho disse...

uma das minhas predecessoras a dar TIC na minha escola conhecia tão bem os sistemas que ficava embasbacada sempre que eu ejectava dvds de drives avariadas sem precisar de ligar o computador. De quando em vez vinha refilar que o computador tal da sala não arrancava. Eu ia ver e verificava que durante a aula alguns putos o abriram e tiraram-lhe as placas de ram. mas a melhor foi-me legada por aquele anónimo estudante que ordenou alfabeticamente um teclado qwerty. E os colegas de TIC a dizer "pá, não percebo, escrevo a e aparece-me q, escrevo b e aparece w... isto deve ser vírus!".