terça-feira, 26 de agosto de 2014

Dylan Dog: I ritornanti; L'odio non muore mai; Giovani vampiri.


Giancarlo Marzano, Roberto Rinaldi (2013). Dylan Dog #319: I ritornanti. Milão: Sergio Bonelli Editore S.p.A..

Uma aventura que soa melhor ao som de Boulevard of Broken Dreams, um dos clássicos do lado mais lounge do great american songbook. Porque é de sonhos fenecidos que vive esta história do detective dos pesadelos. Começamos por chegar a um cemitério cujos residentes se andam a escapulir aos gavetões. E na Londres de Dylan Dog pessoas de bem, conformadas com o rumo das suas vidas, são assombradas, atacadas e assassinadas pelo que parecem ser seus sósias. Não são. São os seus sonhos esquecidos, os desejos de ser algo de diferente do que se tornaram, que se escaparam ao cemitério onde estão consignados para exercer vinganças sobre os sonhadores desiludidos. Se este conceito da morgue de sonhos esquecidos onde estes estrebucham dentro dos gavetões tem o seu agradável gostinho gótico, o resto da aventura é uma banal caça à assombração onde Dylan se envolve com uma dançarina exótica perseguida pelo seu sonho de ser bailarina.


Luigi Mignacco, Giancarlo Alessandrini (2013). Dylan Dog #324: L'odio non muore mai. Milão: Sergio Bonelli Editore S.p.A..

Bons ingredientes misturados nem sempre dão um bom caldo, mas podem deixar um bom sabor. É o caso desta aventura, que mistura história da II guerra mundial, a iconografia da típica aldeia costeira britânica e vampiros nazis. Vampiros nazis soa sempre a promessa de narrativas mirabolantes, não soa? Em resumo, as lendas locais sobre fantasmas assassinos parecem concretizar-se com o desaparecimento misterioso de habitantes da aldeia à beira-mar, que ganhou fama pelos estaleiros agora inactivos que foram bombardeados na II guerra. É curioso é que só desapareçam um historiador, um mecânico e os guardas do estaleiro. O segredo é antigo: a tripulação de um submarino nazi sobrevivente ao final da II guerra que começa a avariar e precisa de pessoas capazes de dar a volta aos antigos engenhos para conseguir ser reparado. E como é que estes fieis submarinistas da kriegsmarine sobreviveram? No final da guerra tinham como missão secreta transportar um misterioso caixão, cujo passageiro os transformou em vampiros. Um submarino cheio de vampiros nazis a flutuar na eterna escuridão das profundezas oceânicas. Com uma destas nunca me tinha deparado.


Giancarlo Marzano, Luigi Piccatto (2013). Dylan Dog 321: Giovani Vampiri. Milão: Sergio Bonelli Editore S.p.A..

Um grupo de góticos contacta Dylan Dog para que este lhes encontre um vampiro. O seu sonho é atingirem a imortalidade como criaturas da noite, mas Dylan, obviamente, recusa-se. Um mergulho na vida nocturna mais underground vai dar a estes vampire wannabes a oportunidade de aceder ao que mais desejam, mas uma verdadeira criatura da noite compraz-se em brincar com os desejos dos néscios humanos.

Sem comentários: