sábado, 15 de março de 2014

Uma linha que separa.


Para aqueles que, como eu, abominam o vírus memético linguístico da expressão há uma linha que separa... que contamina as consciências através da publicidade, tomem lá esta, cortesia do brilhante horror surrealista de Night Vale: "there is a thin semantic line separating weird and beautiful, and that line is covered in jellyfish".

Sem comentários: