terça-feira, 15 de outubro de 2013

Doctor Who: I am a Dalek


Gareth Roberts (2006). Doctor Who: I am a Dalek. Londres: BBC Books.

A capa prometia uma leitura rápida e não desapontou. Esta série de livros capitaliza as icónicas personagens e lê-se com o mesmo espírito com que se vê ou revê um episódio televisivo. Ao contrário de outras novelizações não procura arcos narrativos abrangentes. É o que afirma ser. Uma leitura rápida, uma injecção de aventura na mente dos whovianos.

Desta vez, após um passeio na lua o Doutor e a sua companheira - Billie Piper, para referência, descobrem-se numa pacata vila britânica que oculta um segredo. Dentro de um bunker uma escavação arqueológica a vestígios da era romana desenterra um enferrujado Dalek adormecido. Entretanto, na vila, uma jovem rapariga de regresso após falhar o sonho de uma vida na capital descobre que o seu ADN lhe confere poderes sobre-humanos. O Doutor e a companheira envolvem-se inevitavelmente num mistério que revela que aquele Dalek em particular tinha sido enviado à Terra num plano para misturar ADN alienígena com humano. O Dalek reactiva-se, extermina transeuntes incautos e é travado não pelo Doutor mas pelo lado humano da rapariga com ADN Dalek. E pronto. Na mente ressoa a música do genérico da série enquanto pousamos o leitor de ebooks. Lê-se e soa quase a um episódio televisivo.

Simples, divertido, bom para relaxar a mente durante uma meia hora com um instigar da imaginação gerado pelos curiosos personagens da série de culto.

Sem comentários: