domingo, 27 de janeiro de 2013

Share a dream world


"The dueling machine," Leoh said, adopting a slightly professorial tone, "is nothing more than a psychonic device for alleviating human aggressions and hostilities. It allows for two men to share a dream world created by one of them. There is a nearly-complete feedback between the two. Within certain limits, two men can do anything they wish within their dream world. This allows men to settle grievances with violence—in the safety of their own imaginations. If the machine is operated properly, no physical or mental harm can be done to the participants. They can alleviate their tensions safely—without damage of any sort to anyone, and without hurting society." (p. 20)

Mais um recorte para a colecção visões de realidade virtual e mundos virtuais. Da obra The Dueling Machine de Ben Bova, uma máquina computacional que representa mundos imaginados por dois utilizadores em simultâneo. No conto, esta alucinação digital consensual é utilizada como arma de duelo, permitindo aos duelistas travar combate no espaço virtual sem qualquer repercussão física.


"It all seemed so real! The noise of the streets, the odors of the perfumed trees lining the walks, even the warmth of the reddish sun on his back as he scanned the scene before him.
It is an illusion, Dulaq reminded himself, a clever man-made hallucination. A figment of my own imagination amplified by a machine.
But it seemed so very real." (p. 6)


Uma visão do ciberespaço tridimensional escrita em 1969 e publicada na revista Analog. The Dueling Machine pode ser lido no Projecto Gutenberg. As capas são igualmente intrigantes. A primeira que ilustra este post, fortemente abstracta, representa uma concepção de espaço virtual como abstração digital. Mas a segunda, mais clássica, está mais próxima da realidade, onde utilizadores de olhar fixado no ecrã vivem num espaço mental alicerçado pela ilusão da tridimensionalidade digital. Em frente ao computador, com a nossa mente imersa no virtual, é mentalmente que representamos a realidade intangível do mundo digital.

Sem comentários: