sábado, 22 de dezembro de 2012

WIRED UK: The World in 2013


Estas previsões para o próximo ano servem mais como um registo do estado actual da arte do que como mapa do futuro. Nesta edição especial da Wired UK são apontadas tendências tecnológicas, sociais, políticas, económicas e ecológicas que poderão modelar o futuro próximo e modificar as percepções da realidade. A destacar o ensaio de James Dyson sobre engenharia como forma de ecologia, fugindo às receitas de mega-geoengenharia e apontando que ganhos em eficiência se traduzem em ganhos ecológicos e que esses não advéem de grandes iniciativas mas da agregação de inúmeros pequenos ganhos incrementais (ou como dizia a minha avó, grão a grão enche a galinha o papo); a mudança de percepção sobre comportamentos até agora considerados doença mental, particularmente notória em comportamentos sexuais anteriormente considerados como desviantes mas agora vistos como normais; as implicações assustadoras do marketing sinestésico, que olha para padrões de relacionamento entre cores, sons e sensações para vender tralha de forma mais eficaz, e rastreamento em tempo real de atitudes e emoções dos utilizadores de televisão, videojogos e equipamentos digitais. Se achamos que a privacidade se esvai nos serviços online que hoje utilizamos, em breve esses serviços podem detectar as nossas emoções, cortesia de câmaras de video, sistemas de reconhecimento facial e posicionamento. Estas e outras tendências estão apontas neste bloco de notas para um futuro próximo. Nota curiosa: é interessante ver como os MOOCS passaram em menos de um ano de conceito indefinido a destaque na revista Wired.

Sem comentários: