terça-feira, 20 de novembro de 2012

Out of Our Minds



Ken Robinson (2011). Out of Our Minds: Learning to be Creative. Chichester: Capstone Publishing.

A reputação de Ken Robinson como evangelista da criatividade está bem estabelecida, particularmente após as suas influentes conferências TED. A sua crítica aos sistemas de ensino que apesar de apregoarem o objectivo de formação individual se centram cada vez mais no back to basics, memorização e testes padronizados é muito válida. Atendendo à realidade complexa do mundo contemporâneo, à necessidade de compreensão profunda das ciências e tecnologia, fica claro que a noção de criatividade se estende para lá dos domínios artísticos e é aplicável em todos os domínios de intervenção humana. Robinson aponta as falhas sistémicas que impedem organizações de tirar o melhor partido das pessoas e as limitações individuais advindas dos constrangimentos uniformizantes sem alternativas para desenvolvimento do potencial pessoal.

Robinson mantém-se muito no campo difuso do desenvolvimento pessoal, próximo da auto-ajuda. Este não é um livro muito profundo, pensado como divulgador de ideias e linhas gerais de desenvolvimento criativo. Esta superficialidade permite-lhe chegar a públicos abrangentes, mas perde-se a questão da concretização prática das suas propostas. Os exemplos abundam, mas dos exemplos pessoais à reorganização sistémica vai uma grande distância. Mas não deixa de ser uma voz refrescante nestes tempos sufocantes em que mais que nunca precisamos de soluções criativas e inovadoras, em que sentimos que a preparação da maior parte dos indivíduos falhou crucialmente nestes aspectos.

Sem comentários: