terça-feira, 12 de junho de 2012

Castelos Virtuais


Para terminar em cheio o ano lectivo com os alunos do 5º C, a turma que mais projectos desenvolveu no domínio do 3D, fizemos uma visita virtual a vários mundos alojados no Babel X3D. Começámos com o mundo criado pelos alunos. O projecto original implicava a criação de vários mundos pelos diversos grupos, mas o tempo tornou-se curto e optou-se por reunir os vários trabalhos num mundo único. O ficheiro no Vivaty Studio mostra a quantidade de objectos criados pelas crianças e incorporados no mundo virtual.


Cá estão os responsáveis, representados por um avatar por grupo. A criação de avatares pelas crianças foi um aspecto que infelizmente não pode ser efectuado. Olhando para o tempo disponível e diversidade de experiências que os alunos passaram é de notar que muito foi conseguido, mas seria interessante ver a forma como estes iriam criar as suas representações virtuais.


A bandeira foi solicitada por um dos alunos do grupo que concebeu o castelo. Cá estão eles novamente, congelados a contragosto para uma fotografia virtual. Escrevo isto porque a reacção das crianças nos primeiros contactos com mundos virtuais é de deleite. Ficam absorvidos pela exploração dos espaços, a tentar interagir com objectos, a aprender como movimentar e personalizar os seus avatares. Parar estas experiências é sempre difícil.


O mundo finalizado, em testes prévios no Babel X3D. Foi apelidado de Castelo. Pode ser visitado, recomendando-se o browser Internet Explorer e o plugin BS Contact (ou Chrome/Firefox com a extensão ieTab).


Mais do que imergir os alunos no seu trabalho, o objectivo desta sessão era mostrar os mundos virtuais disponíveis. Os seus potenciais do jogo à aprendizagem são enormes, mas para primeiro impacto optámos por uma exploração que enfatizasse a diversidade de espaços disponíveis. Para terminar, uma corridinha no Grand Prix. Eu perdi.


Note-se a frase: imergir os alunos no seu trabalho. É uma das características mais apaixonantes do trabalho que se vai desenvolvendo no 3D Alpha. Mostrar aos alunos algumas ferramentas simples de modelação 3D, propor projectos que podem ser livres ou temáticos possibilitando abordagens interdisciplinares, deixá-los criar domando as ferramentas digitais às suas ideias, e terminar com a capacidade de imersão dos criadores dentro das representações digitais das suas criações.

(Uso a expressão crianças para designar os alunos. Formalmente seria crianças e jovens, mas é de sublinhar que este projecto foi efectuado por alunos de uma turma de quinto ano de escolaridade com idades compreendidas entre os dez a doze anos em horas roubadas na brevemente extinta área curricular não disciplinar de Estudo Acompanhado.)

1 comentário:

zeza disse...

Olá! Perdeste a corridinha no "Grand Prix" mas aposto que ganhaste muita admiração dos teus alunos, e não só, neste projecto. Beijinhos.