domingo, 20 de junho de 2021

URL

 Esta semana, destacamos banda desenhada didática portuguesa, e multimédia francesa, bem como os erros da ficção científica. Falamos, talvez demasiado, das agruras do projeto Escola Digital, que está a colocar um computador nas mãos de cada aluno e professor português, mas também de robótica pervasiva e massa de cozinhar impressa em 3D. E, claro, destacamos o padrão fabuloso do F-16 português no Tiger Meet. Outras leituras vos aguardam, nas Capturas da semana.

Ficção Científica e Cultura Pop

trioxina245:Marooned on Europa, by Bob Eggleton: Outras vistas.

Super Pixel Quest: Uma animação fabulosa, ou uma banda desenhada brilhante? Novos media trazem novas linguagens, e esta BD animada que recupera estéticas do retrogaming é um excelente exemplo disso.

J Scott Campbell "Fixes" His Critics Over Mary Jane Image: É o que coloquialmente se designa nos comics por fan service - imagens provocadoras de personagens femininos, muitas vezes em poses de provocar medo a contorcionistas. Algo que no clima cultural dos dias de hoje deixou de ser tão aceitável como o era antigamente. Ou, na verdade, nunca o foi, este tipo de ilustrações sempre foram exemplo típico de objetificação do corpo feminino, pensadas para deixar adolescentes a babarem-se, mas bem longe do que é a sexualidade normal. Esta história ganha contornos divertidos, quando se descobre que o ilustrador fez uma ilustração a ironizar de forma certeira com um anterior desenho de típico fan service.

The Big Screen Experience Is Unparalleled: Concordo. Por muito acessível que seja o cinema na televisão, streaming ou oração a S. Torrente, nada se compara a ver um filme no suporte para o qual foi concebido: o ecrã de grandes dimensões. É aí que a estética cinematográfica, a sua capacidade de proporcionar experiências imersivas, se revela. E, também, é de observar que o ir ao cinema nos obriga a um desligamento cognitivo, temos de reservar um espaço e um tempo em que cortamos as distrações. Tal não acontece no cinema em casa, onde basta uma notificação no telemóvel para nos distrair e quebrar o ritmo de visionamento.

Tintin : la justice reconnaît la parodie des œuvres inspirées d’Hergé: Os donos da propriedade intelectual de Tintin são notórios na forma excessiva como protegem a sua galinha dos ovos de oiro. Atrevam-se a fazer algo com a imagem do personagem, e depressa levam com um processo em cima. Mesmo que façam algo completamente legítimo, como fanart, humor ou arte contemporânea.

Photo: Com os depósitos transparentes, dá para ver quando se está prestes a ficar sem combustível no ar.

Read this free comic about the history of climate change denial propaganda: Uma experiência interessante - adaptar o tradicionalmente árido estilo académico à banda desenhada.

Autores portugueses criam BD sobre alterações climáticas: Sempre tive um certo pé atrás com a BD pedagógica. É trauma, dos tempos em que a banda desenhada só era considerada aceitável se fosse leitura pedagógica para crianças, algo que felizmente tem vindo a mudar. No entanto, há que destacar o sucesso deste projeto português, que está a ser disseminado em vários países europeus.


Frank Kelly Freas, 1975: Da estética psicadélica.

Science Fiction’s Wonderful Mistakes: O mais refrescante deste artigo? A forma liminar como rejeita como condescendente e ignorante a visão mainstream da ficção científica como oracular, preditiva, ou porta de entrada para a ciência. Não, a FC é uma ficção de ideias, de conceitos, e essencialmente de imaginação pura e atrevimento a olhar muito para a frente.

Tecnologia


Robots Are Everywhere: Um docinho visual, que nos mostra o quão pervasiva a robótica se está a tornar.

"Essencial": Governo falha promessa de dar computadores portáteis a todos: Acho que um destes dias terei de perder a paciência e começar a falar disto. Quem vai lendo estes artigos com regularidade já se deve ter apercebido que sou professor numa escola pública, com responsabilidades pedagógicas e técnicas (supostamente, um docente só teria responsabilidades pedagógicas, e isso seria toda uma outra conversa). Ou seja, sou daqueles professores a quem o projeto Escola Digital caiu em cima, literalmente às palettes de centenas de computadores. E o que vejo, o que sou obrigado a fazer para bem da comunidade educativa a que pertenço, deixa-me com enormes reticências. Esta reportagem aponta algumas, embora, como estas notícias nunca são inocentes e se inserem nas clássicas lutas políticas, a reportagem está tão ocupada a encontrar vetores de ataque político que consegue passar completamente ao lado do verdadeiro objetivo deste projeto. Que, sublinhe-se, o próprio ministério não se dá muito ao trabalho de reforçar. Comecemos por aí: o objetivo do Escola Digital não é dar um computador a todos os alunos e professores. É dotar todos os professores e alunos de um computador. Qual é a diferença, perguntam-se? Bem, é a diferença entre uma máquina de uso pessoal, e uma máquina de serviço, gerida por uma instituição. É isto que é o Escola Digital, não uma dádiva, mas uma dotação de material às escolas, colocado nas mãos dos intervenientes (mas gerido pelas escolas). Com isto, a médio prazo, conseguem-se condições equitativas de acesso a meios digitais, bem como um impulso essencial para uma progressiva transição digital na educação - algo de fundamental para prepararmos as crianças de hoje para um futuro em que a digitalização da economia será ainda mais forte do que hoje. Por outro lado, há imenso a apontar a este projeto. Começo pelo mais óbvio: é um projeto à escala imensa, com quantidades gigantescas de equipamento envolvido (ou seja, atrasos dos gabinetes à parte, era mesmo impossível "cumprir a tal promessa"). E não está clara qual a sua sustentabilidade a médio prazo. Como gestor de parque informático escolar, eu não posso pensar a 2 ou 3 anos. Infelizmente, tenho de pensar a 10 ou mais, porque as experiências de equipamento de escolas com meios digitais em Portugal têm sido todas assim: dois anos de vacas muito gordas, com material a chover nas escolas, seguidos de um absoluto deserto e total falta de autonomia financeira para implementar políticas de substituição e renovação cíclica de material. Que se vai degradando até à inutilização total, até as coisas chegarem a um ponto tão crítico que só são resolvíveis por... projetos alargados. Estão a ver o risco do erro cíclico nisto, espero. O Escola Digital está neste momento no tempo da vaca gorda, com a generosidade da dotação de equipamentos. Mas em nenhum momento, da documentação que consultei ou reuniões com responsáveis pela gestão do projeto em que estive, foi divulgado exatamente de que forma este projeto será sustentável ao longo dos anos. Não dos próximos dois, o máximo das garantias dos equipamentos, mas dos próximos 5 ou 10. Note-se que um equipamento cedido a um aluno de 5º ano terá o de acompanhar até ao 9º ano, ou seja, aguentar cinco anos nas mãos de uma criança. Como se nota na reportagem (e tenho sentido na prática), há dúvidas que os equipamentos distribuídos tenham essa longevidade. A qualidade de construção e materiais é fraca, claramente são construídos como produtos de baixo custo. As especificações são medianas, o que também não ajuda à longevidade. Ter hoje acesso a um computador de especificações médias garante dois a três anos de uso sem problemas. Mais que isso, depende da manutenção e tipo de uso, e recordem: estes equipamentos estão nas mãos de crianças. O que pode correr mal, irá correr mal. Mas confesso que neste momento, estas nem são as minhas principais preocupações neste projeto. Para já, estou a sentir o efeito avassalador da burocracia bizantina e da sobrecarga. Gerir este projeto é ficar responsável por centenas de computadores, todos têm de ser devidamente preparados antes de serem entregues aos utilizadores (contas de utilizador, aplicações específicas). A entrega obedece a regras rígidas, os equipamentos têm de ser devidamente registados em contratos de comodato individuais. Por detrás disto há uma logística secretarial de contratos para escola por fases de entrega, com guias de remessa apensas. Tudo centralizado numa plataforma a nível nacional, que colige dados de equipamentos, fornecedores, escolas, alunos e professores. É trabalho que requer ser feito a tempo inteiro por pessoal dedicado. Mas a mesma tutela que investe em equipamento e formação não mostra qualquer indicação para garantir meios humanos. A gestão e operacionalização disto fica a cargo de professores de informática (ou outros que dêem uma mãozinha) e assistentes administrativos. Profissionais que têm outras responsabilidades - os professores, enfim, dar aulas (entre 15 a 20 turmas, ou mais, no caso dos de TIC), e os administrativos dar vazão a toda a gestão administrativa das escolas. Para dar resposta à celeridade do Escola Digital, no meu caso específico tive de parar outras atividades que fazem o dia a dia da escola. É sobretrabalho. Sentimo-nos na obrigação de dar resposta, mesmo sabendo da falta de ética de uma tutela que colhe louros assumindo que grupos de profissionais tenham de fazer horas extraordinárias voluntárias para dar resposta às necessidades. Poderia continuar. Encerro por isto: o discurso mediático sobre este projeto está centrado na dádiva dos computadores. O resultado, é a fixação da imagem pública deste projeto como algo de assistencialista, o que leva muitos pais a rejeitar os equipamentos - assumem que são dádivas, e que são redundantes, uma vez que os seus filhos já dispõem destes equipamentos. Assumem também que é um remédio para pandemia e confinamentos, com aulas à distância. Ou seja, a verdadeira visão do projeto - dotar a escola de meios para uma transição digital, parece-me irremediavelmente perdida neste ruído todo. O objetivo, reitero, não é o de ser dádiva pandémica mas de criar condições para que, dentro de dois, três anos, se generalize o uso de equipamentos digitais nas escolas, em quaisquer contextos, por todos os intervenientes. É para isso que trabalho, mantenho os esforços, e me preparo para dar formação aos meus colegas (mesmo sabendo das injustiças laborais a que este projeto me está a sujeitar).

ML Approach Brings Digital Photos Back to Life: Uma técnica intrigante, que usa aprendizagem automática para gerar visualizações de outros pontos de vista para lá do original.

“Multitasking” Is A Lie: O mito da capacidade multitarefa, que na verdade é uma segmentação rápida do nosso foco de atenção.

People Caught Using AI to Role-Play Sexual Abuse of Children: Pois, é o clássico lema da sociedade digital: garbage in, garbage out.

"Estás viendo este anuncio porque lees blogs de padres y estás pensando en la adopción LGTB": así es como Signal troleó a Facebook: Todos conhecemos as regras deste jogo - ou, pelo menos, deveríamos conhecê-las. Já a Signal cometeu uma enorme heresia - atreveu-se a expor as metodologias questionáveis que sustentam os modelos publicitários que enriquecem (de formas que fariam midas parecer básico), ainda por cima... teve a lata de o fazer numa das plataformas mais notórias pela forma como usa e abusa da perfilagem dos seus utilizadores.

Google vai activar autenticação 2FA para todos os utilizadores: E já não era sem tempo, tornando o uso das plataformas Google mais seguras. Só me pergunto se as organizações que usam Google Workplace também verão este rolar forçado de autenticação de dois fatores (suspeito que na minha escola, isto me dê algumas dores de cabeça entre professores, pais e alunos mais azelhas no uso de sistemas digitais, essa imensa maioria).

Windows 10 “Sun Valley” will do away with Windows 95 era icons: Um refrescar da estética do Windows vai tornar aqueles velhos ícones dos tempos do Win95 uma memória. 

Labios y voz perfectamente sincronizados en las películas dobladas: eso prometen los deepfakes de esta compañía: E para que servem os deepfakes, para além dos óbvios usos maldosos? E porque não para tornar o processo de dobragem de filmes invisível? É o que promete esta empresa, que aplica algoritmos deepfake aos atores dos filmes para que na dobragem, os seus lábios pronunciem os vocábulos das línguas em que o filme for dobrado.

AI Is Harder Than We Think: 4 Key Fallacies in AI Research: A AGI está muito longínqua, e os desenvolvimentos em IA restrita não dão um somatório gerador de AGI, as barreiras da simplicidade e senso comum continuam inatingíveis pelos mais sofisticados algoritmos, ou a inteligência não como algo exclusivamente mental e abstracto, mas como requerendo experiência física e corporalidade. Algumas das ideias genéricas sobre Inteligência Artificial, que dão belas especulações, mas não representam o verdadeiro poder desta ferramenta.

PHP Gets A Demoscene Engine Of Its Very Own: Demoscenes são uma experiência multimédia interessante, o objetivo é de criar programas com visuais de cair o queixo, usando um máximo de memória muito baixo. 

25 Edits That Define the Modern Internet Video: Existirá uma estética TikTok/meme video? Há, claro, com uma linguagem visual muito própria. Podemos não gostar dela, mas existe.

“Hexa,” an eVTOL aircraft displayed at Air Force Research Laboratory even in Texas: O mais interessante da notícia é a foto do veículo, que mostra um drone com habitáculo.

Un ciberataque a la mayor empresa de oleoductos de Estados Unidos deja en jaque al país, que ha declarado el estado de emergencia: Cibercrime a doer. E, pelo que percebi, é um ataque com fins puramente extorsionários, levado a cabo por hacker a soldo.

Archipasta: formas tridimensionais impressas em massa, que se revelam apenas com a absorção de água durante o processo de cozedura? O objetivo é encontrar formas de reduzir o desperdício alimentar, mas há aqui possibilidades poéticas e de novos produtos de nicho.

Modernidade


We Have Been To NATO Tiger Meet 2021 And Here Are The Most Interesting Aircraft We Found There: Por muito embevecido que o The Aviationist esteja com o Eurofighter italiano e a sua pintura especial, há que dar a mão à palmatória: o F-16 português com o padrão de tigre está fabuloso.

Light this candle! The 60th anniversary of the first American in space: É impressão minha, ou na mesma data em que se comemorava o primeiro voo espacial de um astronauta americano, foi a primeira vez que a Space X conseguiu aterrar uma Starship, sem esta explodir?

White House Supports Waiving IP for COVID Vaccines, Sending Pharma Stocks Tumbling: Esta notícia é incrivelmente surpreendente, especialmente vinda dos Estados Unidos, esse bastião do uso e abusos de propriedade intelectual.

Universal basic income is here—it just looks different from what you expected: A pandemia, com a necessidade dos confinamentos e os diversos esquemas para assegurar rendimentos com as empresas paradas e trabalhadores em casa, veio sublinhar a necessidade de se desenvolverem esquemas de rendimento básico incondicional. Não como prestação social, ou dádiva.

You can be the first (and) only person to see these works of art: Arte instantânea, graças a uma GAN. Um projeto que brinca com as nossas expetativas sobre a estética abstrata, usando inteligência artificial para gerar automaticamente imagens fugazes, que só surgem no momento em que acedemos ao site.

What If An AI Bot Curated The Whitney Biennial?: Sou só eu que considero ser de uma ironia corrosiva e hilariante usar bots para gerar a curadoria de exposições? É que os resumos algorítmicos, que se baseiam nos textos críticos das exposições como dados, acertam na perfeição com a linguagem opaca da arte contemporânea, fértil em termos densos que parecem saídos de geradores aleatórios de palavras.

New Scenario presents CHERNOBYL PAPERS — an online group exhibition inside the core zone of the Chernobyl disaster: A zona de exclusão como galeria de arte, e de uma forma intrigante - desenhos deixados nos espaços abandonados e radioativos, impossíveis de visitar fisicamente, e que com o tempo irão partilhar do destino dos restantes detritos da zona.

I’d Do It Again: Uma das coisas que me fascina na história da II Guerra Mundial é a forma como nunca está finalizada, há sempre um novo pormenor a descobrir. Não sabia que a notícia da rendição alemã tinha sido mantida secreta durante umas horas para dar tempo aos soviéticos de organizar uma cerimónia propagandística, mas esse segredo colidiu com a necessidade do governo alemão em comunicar com as suas tropas para cessar hostilidades, bem como com a vontade dos correspondentes de guerra que acharam inacreditável o abafamento da notícia. De tal forma que um decidiu ir publicamente contra a farsa, e isso quase lhe custou a carreira.

MATTE PAINTING REVIEW: A Selection Of Overlooked Films - Part Sixteen: Sempre que o Matte Painting publica, já sabemos que será uma enxurrada dos mais inesperados efeitos especiais pré-digitais, onde a pintura e os truques ópticos se conjugavam para criar cenários que, na tela, pareciam tão realistas que ninguém diria que eram pinturas.

The myths that hint at past disasters: A Geomitologia, o ramo académico que estuda os mitos em busca de indícios de catástrofes e alterações geológicas.

Cyborgian Swamp Thang II: Or A Post-Human/Machine Untergang — Group show at Super Dutchess, New York, US: Dos detritos da sociedade tecnológica, que se tornam artefactos estéticos.



Sem comentários: