quinta-feira, 4 de março de 2021

Comics: It's Dark in London; The Loneliness of the Long-Distance Cartoonist; Pizzeria Kamikaze

 

Oscar Zárate (1996). It's Dark in London: Graphic Short Stories. Serpent's Tail.

Há alguns momentos interessantes nesta antologia gráfica e narrativa. O de Neil Gaiman é um dos pontos altos, mas pessoalmente fico sempre deslumbrado pelas colaborações de Dave McKean e Iain Sinclair, o grafismo do ilustrador cruza-se de forma genial com o surrealismo psicogeográfico do escritor. De resto, o livro vale por ser uma viagem à cidade que, mesmo nestes tempos brexit, não deixa de excercer o seu fascínio.


Adrian Tomine (2020). The Loneliness of the Long-Distance Cartoonist. Drawn and Quarterly.

Mais recentemente, Adrian Tomine é conhecido pelas geniais capas que ilustra para a New Yorker.  Mas este autor americano de origem japonesa tem uma longa carreira como criador de novelas gráficas, sempre naquele registo de desenhador independente que se foca nos pequenos pormenores do dia a dia e nas experiências pessoais para contar histórias em banda desenhada. Uma estética que, nos anos 90, deu ao mundo dos comics americanos uma vertente mais adulta e erudita, afastada do lado industrial dos comics das majors ou das estéticas de contra-cultura das décadas anteriores. A série experimental Optic Nerve e o romance gráfico Summer Blonde são algumas das suas obras mais conhecidas.

Esta solidão do cartoonista insere-se perfeitamente naquele estilo de crítica autobiográfica que é em si todo um estilo na cultura americana - pensem no cinema de Woody Allen aos comics de Harvey Pekar. O foco está na personalidade e inseguranças do autor, as suas interações incómodas com o mundo. Os traumas pequenos do dia a dia, os pequenos encontros inquietantes, os mal entendidos, a eterna necessidade de se sentir aceite por outros que não lhes ligam muito. Os confrontos com críticos desbocados, os momentos desconfortáveis em eventos literários, ansiedades e paranoias interiores. É todo um catálogo de falhanços e mal entendidos em humor fino, que nos recorda que a alma humana tem o estranho condão de melhor recordar os pequenos traumas do que os grandes sucessos. Neste livro, Tomine abandona o seu estilo elegante e detalhado que usa nas suas graphic novels e capas para a New Yorker, optando por um estilo caricatural mais evocativo do cartoon humorista do que da banda desenhada.


Etgar Keret, Asaf Hanuka (2006). Pizzeria Kamikaze. Alternative Comics.

Uma proposta weird e bizarra vinda de criadores israelitas. Um suicida descobre-se num estranho além, povoado por suicidas condenados a viver numa espécie de subúrbio eterno. O inferno é a normalidade, e o personagem deste livro, ao descobrir que a sua ex-namorada também se suicidou, parte em busca dela. Pelo caminho, cruzar-se-á com personagens bizarras e um messias com complexo de cristo, que mesmo depois de morto, tenta suicidar-se. Uma história divertida e surreal, inesperada e bizarra.

Sem comentários: