sexta-feira, 9 de março de 2007

Leituras

BBC | Virtual Worlds set for shake-up Os grandes conglomerados que controlam os media encontraram mais um terreno fértil para investimento - os jogos multiplayer online são a nova meca do dinheiro fresco dos grandes investidores. Mais uma vez, rios de dinheiro serão gastos em investimentos falíveis na criação de mundos de fantasia.

Correio da Manhã | Furtos e burlas simples deixam de ser crime Uma das medidas que visa tornar a justiça em portugal mais eficiente vai na prática descriminalizar furtos e burlas de valor inferior a 96€, pois fará depender a punição criminal do criminoso do levantar de acusação por parte do lesado, com todas as burocracias e gastos que isso implica. Ou seja, uma forma de tornar a justiça mais eficiente parece ser tornar a justiça menos justa, especialmente para aqueles que têm poucas posses.

Guardian | No, capitalism is not the only way to order human affairs O capitalismo triunfa, e com ele as ideias neo-liberais. Os teóricos confiam-nos que a mão invisível do mercado é a forma mais eficie de corrigir as assimetrias mundiais, mas os factos não parecem apoiar essas afirmações - nas últimas décadas, em que se assiste ao triunfo total do capitalismo, têm sido as décadas em que as assimetrias, as injustiças na distribuição de riqueza, as desigualdades, os nepotismos, a exploração cega de recursos naturais e os crimes ambientais grassam descontroladamente. Não restam dúvidas acerca da eficiência da mão invisível...

TSF | Governo entrega a privados a gestão de 600 milhões de euros Sabe-se que os ajustamentos no sistema de reformas são exigidos pelas alterações demográficas que as sociedades ocidentais estão a viver. Também por isso é muito pouco tranquilizante saber que a gestão dos fundos que visam garantir as reformas futuras será entregue pelo estado a empresas privadas. Mais uma vez, a mão invisível do mercado em acção. Certamente que alguém ganhará muito com esta gestão privada dos fundos de reformas. Só me preocupa se os ganhos não se volatilizarão quando for a altura de os entregar a quem são devidos.

Sem comentários: