domingo, 1 de julho de 2018

URL



The original Doom, one of 64 Objects that shaped video game history: Curta apreciação crítica do clássico jogo, que se tornou um momento-pivô na evolução dos videojogos. Muito por causa disto, de recriar no ecrã uma transposição do imaginário, que nos coloca na pele do personagem principal do produto cultural: "And yet even as Doom’s technical features and distribution model broke new ground, in many ways it harkened back to older forms of play. Kids have been playing imaginary first-person shooters in the backyard for decades—cops and robbers, cowboys and Indians, and war games of all kinds". 

The Digital Poorhouse: O impacto negativo de algoritmos de decisão enviesados não é uma questão nova, mas torna-se cada vez mais premente (e, como o articulista observa, um dos objetivos do RGPD é minorar estes impactos): "Like dogs that bark at black people, machine-learning algorithms lack the conscious intention to be racist, but seem somehow to absorb the bias around them. They often behave in ways that reflect patterns and prejudices deeply embedded in history and society". É especialmente preocupante porque os enviesamentos não são intencionais, advém de padrões sociais que acentuam injustiças, e muitos são aplicados cegamente, ou o reconhecimento do seu enviesamento é posto ao serviço de ideologias conservadoras.

Here's Why Airplanes Have Engines On The Wings Or On The Tail: Prós e contras de se montar motores de avião sob nas asas ou na cauda.



Visualizing our world’s ever-growing urban infrastructure: Estas fotos são abstrações, manipulações digitais de fotografias aéreas, mas são uma reflexão sobre o desenvolvimento acelerado do urbanismo. Estas abstrações são-nos totalmente plausíveis, num mundo cada vez mais composto de mega-cidades interligadas por vias de comunicação.

Meet Jacob Burckhardt, the thinker who invented 'culture': Artigo interessante sobre o historiador que nos legou a ideia de cultura como algo abrangente, não como um conjunto de ideias e estéticas eruditas mas a abranger todas as vertentes de expressão, mesmo as mais vernaculares: "The use of the term culture to mean a broad and changing flow of forms from opera to video games may seem like an innovation of the postmodern age, but it actually goes back to Burckhardt’s 1860 book The Civilisation of the Renaissance in Italy. Burckhardt invented culture as we know it – not just the official “arts”, but any human activity that has symbolic meaning".

Teens are using Facebook less and less Não é novidade que o Facebook se tornou a rede social para os mais velhos, com os mais jovens a preferirem outras redes para interação social digital. Algo que tem implicações para quem quer fazer chegar as suas mensagens a públicos abrangentes, mas também se coloca o porquê disto: visões sobre privacidade, o procurar espaços próprios e independentes dos seus pais e familiares mais velhos, preferir a instantaneidade sobre o registo cronológico de atividades?


The Pyramids of Giza Are Near a Pizza Hut, and Other Sites That May Disappoint You: Consequências do crescimento urbano e da pressão exercida pelo turismo. Aqueles locais que nos seduzem pelo seu exotismo, evocando visões intocadas pelo tempo, são na verdade tocados pelo espaço urbano. A ideia das pirâmides milenares partilharem a vizinhança com restaurantes de fast food não se ajusta com a sua aura de exotismo. Algo que qualquer um que, procurando perceber a cultura dos locais que visite, viaje na era do turismo massificado já percebeu.

How a Jesus-Shaped Cake Incurred the Wrath of Argentina: Porque estamos no século XXI, e apesar disso ainda continuamos a ter de aturar as rezinguices dos fanáticos que não só acreditam nos ditames de seres imaginários (algo que, felizmente, são livres de o fazer), mas também querem que a sociedade em que vivem siga esses credos (e isso, é inaceitável).

A History of Ink in Six Objects: A tinta talvez seja a maior invenção da humanidade. Sem ela, como poderíamos pintar, ou registar ideias através da escrita? A prensa de Gutenberg provocou uma revolução cultural que ainda hoje perdura, mas imprimir livros não seria possível sem tinta.

Elon's Basilisk: why exploitative, egomaniacal rich dudes think AI will destroy humanity: Essencialmente, porque se revêem no padrão de plutocracia de enriquecimento desmesurado. Sempre que os tech tycoons se pronunciam sobre os malefícios da IA, isso é psicológico. Essencialmente, estão a falar de si próprios.

Garbage In, Garbage Out: machine learning has not repealed the iron law of computer science: Simplificando, os resultados dos algoritmos refletem a qualidade dos dados de base que os treinaram: "people who are trying to improve vision systems for drones and other robots run into problems using the industry standard Imagenet dataset, because those images were taken by humans, not drones, and humans take pictures in ways that are significanty different from the way that machines do -- different lenses, framing, subjects, vantage-points, etc". 

The First Cyberattack was Nearly 200 Years Ago: Se é possível manipular dados para conseguir ganhos ilícitos, alguém o vai fazer. Esta história sobre banqueiros que manipularam dados do sistema francês de semáforos, um dos primeiros meios de comunicação à distância, precedente dos telégrafos, não seria muito diferente se em vez de sistemas de comunicação visual tivesse hackers e redes digitais: "network attacks do not just pre-date modern electronic networks – they are as old as networks themselves".

 
Robotic, But Lovable: Recordar artefactos da primeira vaga de robótica doméstica, com estes robots assistentes e companheiros criados nos ano 80 do século XX.

Sem comentários: