segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Comics


 Batman #31: Kite Man! Impressionante como ao longo do arco War of Jokes and Riddles Tom King arranjou sempre umas vinhetas para manter a piada da série, e ainda acaba por lhe dar um papel fundamental para a obrigatória vitória do bem sobre o mal.



Black Hammer #13: A auto-referenciação é um dos mais curiosos vícios dos comics. Se é interessante, para os fãs mais conhecedores, ler histórias  cheias de referências, em que um dos gozos é detectar a origem das referências visuais e gráficas, pergunto-me se a criatividade neste meio comercial já está tão esgotada que só sobreviva com inside jokes e vénias contínuas ao passado. Esta série numa escondeu o seu caráter pastiche, e Lemire leva-a bem, mas fica no ar a questão sobre a direção que segue o lado mais erudito dos comics. Somos um público assim tão previsível, que só se sente com as expectativas cumpridas quando relê as mesmas histórias com os mesmos personagens em infindas variações? Claro, o que acabei de escrever é a definição mais pura dos comics enquanto género.

Sem comentários: