quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

The Vital Abyss



James S. A. Corey (2015). The Vital Abyss. Nova Iorque: Orbit.

A vida na Terra não é uma utopia de futurismo simpático no universo Expanse. A larga maioria dos seus habitantes vive de rendimento básico, sem grandes perspectivas ou sonhos para lá das residências onde passam o tempo. Aqueles que conseguem sair desses estreitos limites e, através da educação superior, tornar-se membros produtivos de uma sociedade que se expande pelo sistema solar saem da experiência transformados enquanto pessoas.

Esta curta história da série segue o percurso de um jovem cientista que, da pobreza do rendimento básico, consegue seguir um percurso académico e juntar-se a uma equipe de investigação na órbita marciana, que estuda a protomolécula, o misterioso bio-artefacto alienígena que é um dos pilares da série. No processo, desumaniza-se, vivendo apenas para a ciência sem limites éticos. Acaba como prisioneiro de um grupo de rebeldes da Cintura, que o aprisiona junto dos sobreviventes da captura da estação Toth, centro de estudo da protomolécula e responsável pelo genocídio dos habitantes de Ceres como parte de uma experiência para verificar os efeitos do artefacto sobre o corpo humano. Talvez se salve do cativeiro, tornando-se analista indispensável aos rebeldes e marcianos, como especialista num mistério que se adensou e criou os portais que abriram o espaço extra-solar à humanidade.

Os Corey regressam nesta novela à premissa que iniciou o primeiro livro da série, com um aceno ao mais recente. Uma das personagens fulcrais desta história será uma das principais de Babylon's Ashes. Nestes contos, os autores expandem o universo Expanse, com outros pontos de vista que não os dos seus personagens principais, ou detalhando ao pormenor a vida e sociedade das facções que dividem a humanidade. É curiosa a forma como abordam a questão da necessidade de rendimento básico garantido, ao mesmo tempo um direito fundamental para a sobrevivência e um grilhão que mantém em condições básicas grande parte dos habitantes da Terra. Um estranho misto de atenção às discussões sobre impactos das tecnologias avançadas de automação com a ética clássica do trabalho como fonte de remuneração e validação do ser humano.

Sem comentários: