sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

O Grande Baro e outras histórias



Virgílio Piñera (2016). O Grande Baro e outras histórias. Guimarães: Livraria Snob.

Um bom início para a prometedora coleção literária Pedante, que nesta sua primeira edição nos traz a obra de um escritor cubano maldito. Os contos de O Grande Baro e outras histórias caracterizam-se por um delicioso surrealismo macabro, com fortes doses de humor muito negro e uma iconografia que por vezes roça o diabólico. Histórias curtas, absurdistas, que exploram as pequenas estranhezas da vida levando-as por caminhos inesperados. O absurdo surreal é complementado por um forte sentido de carnalidade, nestes contos de crueldade subtil.

Recordo ter lido um destes contos ainda por traduzir, no tablet do editor e livreiro por detrás da Snob, quando há uns anos me cruzei com o seu espaço numa escola de Guimarães onde fui falar de 3D no congresso da associação de professores de expressão e comunicação visual. Foi um encontro deveras funesto para a minha carteira. O bom gosto deste livreiro, tão à vontade na ficção mais tradicional como nas vanguardas e géneros fora da caixa que tanto aprecio, traduz-se num acervo cuidado da sua livraria física e online. Se vivesse em Guimarães, suspeito que teria estantes ainda mais recheadas por literatura. Daquela que não é boa literatura, aclamada pelos críticos e tida como intemporal. A literatura da boa, que encanta e fascina os seus leitores. Se este primeiro volume da Pedante, colecção lançada pela Snob, for sintomático, espera-nos uma colecção cheia de literatura da boa.

Sem comentários: