sábado, 27 de dezembro de 2014

Dreamy-weamy

Do you know what I hate about the obvious? Missing it. 

Das coisas que mais gosto no Doctor Who: a maneira talentosa como brincam com a linguagem. Qualquer bom episódio tem centenas de duplos sentidos, nalguns casos auto-referenciais. Sempre com uma textura riquíssima de diálogos. E qual é o whoviano que não sorri com esta: Oooh, it's all a bit dreamy-weamy...

5 comentários:

Rui Bastos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rui Bastos disse...

Este especial estava recheado de pormenores desses, e bem usados! Não eram apenas fan-service, faziam todo o sentido no contexto de ser tudo um sonho... E cada vez mais concordo contigo, o sense of wonder desta série é qualquer coisa de grandioso.

artur coelho disse...

yep, é uma série que não te pede para ser levada a sério e que por isso se safa com coisas muito sérias. se bem que neste episódio o final final era dispensável, poderia ter acabado com o doctor e uma clara oswald sénior em nota muito alta. muito bem, aquela sucessão matrioshka/recursiva/fractal de ilusões dentro de ilusões dentro de ilusões.

e repara: ao longo de um inocente e inócuo episódio de natal tiveste uma figura importante a repetir incessantemente às mentes das criancinhas para questionarem sempre a realidade que as rodeia...

Rui Bastos disse...

Exactamente. E concordo plenamente com o final... Era o final ideal e de repente é só mais um sonho, damn you all. E parece que foi culpa da actriz, que decidiu ficar à última da hora!

Quanto à presença do Pai Natal, digamos que foi uma interpretação com muito que se lhe diga. Provavelmente a versão que mais me agradou de ver, nos últimos tempos, mordaz e consciente do seu próprio estatuto de lenda/sonho.

artur coelho disse...

sim, o pai natal estava fabuloso. dose certa de bom humor e ironia pós-modernista...