segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Comics


Steampunk Battlestar Galactica 1880 #01: A Dynamite, perita em baralhar e tornar a dar títulos e personagens clássicas, decidiu aplicar o tratamento steampunk à série Battlestar Galactica. Resumo: não funciona. Não, a sério. Não funciona. A vaporização neo-vitoriana está a funcionar bem em Legenderry, porque há o cuidado de estabelecer uma narrativa coerente onde os diferentes personagens encaixam. Agora recontar a space opera televisiva com engenhos a vapor, dirigíveis e sabres no lugar dos robots, naves espaciais e blasters, não funciona.


The Multiversity #01: Grant Morrison a armar-se em Alan Moore e a reviver personagens dos velhos tempos em que valia tudo para criar revistas e a DC se excitou um pouco com a ideia de universos paralelos com versões das suas personagens icónicas? Só pode correr bem, certo, num "correr bem" entendido num estrito sentido de insanidade psicadélica. É Morrison, um dos grandes contadores contemporâneos de histórias aos quadradinhos, bizarro e visceral com carta branca para chocar e encantar. Duvido é que o objectivo de recriar e recuperar para a DC 52 dos personagens (felizmente) descartados da continuidade resulte. É que com Morrison aos comandos já sabemos que a viagem vai ser um delírio, algo que não se coaduna muito com a necessária banalidade repetitiva dos comics de super-heróis.


Trees #04: A invasão alienígena em slow motion. Misteriosos vegetais que assentam raízes, indiferentes às formigas bípedes e suas edificações que pululam na superfície do planeta azul. Criaturas extraterrestres que aterram e não fazem absolutamente nada para além de assentar gigantescos troncos um pouco por todo o planeta. E Warren Ellis não se está a apressar a contar a história. Cada edição vai revelando mais um pouco de uma teia complexa e aparentemente desconexa. Eventualmente saberemos o que é que senhores da guerra africanos educados nas melhores universidades europeias, activistas políticos nova-iorquinos, criminosos balcânicos, artistas chineses e biólogos noruegueses têm em comum. Para já fiquemo-nos com esta: as árvores invasoras estão a começar a produzir flores bio-metálicas. Invasão lenta, um ecossistema que aniquila o organismo anfitrião com a paciência longa do mundo vegetal.


The Fade Out #01: Brubaker e Philips estão de volta com um novo projecto. Desta vez regressam às origens com um policial noir passado da decadente Hollywood dos anos 40. A ilustração é como sempre soberba, e do argumentista já se sabe que nos vai dar uma história convoluta onde um protagonista pouco inocente se vai confrontar com vícios monstruosos e a decadência criminosa alimentada pela fama e dinheiro.

Sem comentários: