quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Comics: Ultimate Comics Avengers: Crime and Punishment; Next Generation.

Não estava a ligar muito a esta continuidade da Marvel até a atenção me ter sido desperta por observações do professor William Kuskin no mooc Comic Books and Graphic Novels. Meter no mesmo saco Will Eisner, Robert Crumb, Alan Moore e Watchmen, Warren Ellis e Planetary com Mark Millar e os mais banais dos heróis pareceu-me intrigante. Ao ver a descrição de um Capitão América fascizante e heróis de moralidade dúbia o nível de curiosidade subiu. O mergulho nestes Ultimates mostra um fim da inocência na editora. A violência, amoralidade e visceralidade é algo já comum no alinhamento doutras editoras, mas a posição da Marvel no mercado juvenil não auguraria uma abordagem deste género aos seus personagens icónicos. Há uma relação muito óbvia com o lado cinematográfico da editora, com alguma verosimilhança nos uniformes dos heróis que se parecem mais com fatos do que pinturas aplicadas ao corpo, e um Nick Fury decalcado de Samuel L. Jackson. (Aqui desculpem-me o aparte mas um Fury negro é coisa que não funciona. A Marvel tem muito personagens afro-americanos que funcionariam na perfeição sem estragar o historial de Fury como uma espécie de James Bond do universo Marvel.) Fim da inocência parece ser o tom destes Ultimates



Mark Millar, Leinil Francis Yu (2010). Ultimate Comics Avengers: Crime and Punishment. Nova Iorque: Marvel Comics.

Fiquei totalmente surpreso pelo inacreditável nível de violência deste comic. Nada de anormal noutras editoras, mas para o contexto da Marvel muito anómalo. Nesta aventura da continuidade Ultimate o Justiceiro é cooptado a largar a caça aos criminosos e a integrar o grupo de operações especiais secreto da SHIELD liderado por um Nick Fury quase decalcado de Samuel L. Jackson. O obrigatório combate é contra um Ghost Rider que anda a eliminar com extremo e quente prejuízo satanistas que ocupam lugares de destaque. A linha Ultimate, que comecei agora a descobrir, promete uma abordagem mais dura e contemporânea à mitologia da Marvel. É certamente mais visceral. O detalhar dos assassínios a sangue frio perpretados pelo Justiceiro reflete um nível de violência gráfica que apenas tinha visto na Marvel em Fury: My War Gone By de Garth Ennis.


Mark Millar, Carlos Pacheco (2010). Ultimate Comics Avengers: Next Generation. Nova Iorque: Marvel Comics.

Os lendários Vingadores como equipa de operações secretas dedicada a missões de ética duvidosa? É a distorção de Mark Millar à moralidade elementar da Marvel. O conceito intriga e a visceralidade da forma de agir dos heróis dá-lhes uma dimensão violenta tradicionalmente ausente na Marvel. É também intrigante rever o icónico Capitão América não como um bonzinho patriota mas como um operacional altamente treinado que mal consegue disfarçar tendências fascizantes. Também notável é o fim da inocência. Os heróis aparentam amizadas mas são venais e prontos a aniquilar-se para cumprir ordens.

Sem comentários: