domingo, 1 de setembro de 2013

Comics: Marvel Boy, Weapon Of God


Grant Morrison, J. G. Jones (2001). Marvel Boy. Nova Iorque: Marvel Comics.

Grant Morrison pega no venerando Capitão Marvel para uma renovação plástica e o resultado é este: um alienígena adolescente cujo adn mistura genes humanos e de insecto, mentalmente interligado com uma inteligência artificial consciente que habita aquilo que melhor pode ser descrito como uma gosma verde com rosto. Um vilão que se socorre das velhas armaduras do Homem de Ferro para ocultar o seu corpo deformado pela exposição intencional a raios cósmicos e que não olha a meios para atingir os seus objectivos megalómanos. A filha do vilão, dominatrix caçadora de criaturas obediente ao pai quase até ao fim. Tudo começa quando uma missão diplomática Kree regressa a casa atravessando as realidades múltiplas e se despenha na Terra, abatida pelos mísseis às ordens do vilão que apenas quer os motores de raios cósmicos da nave. Apenas o adolescente sobrevive, refugiando-se com a nave no subsolo novaiorquino. Este começa uma vingança contra um planeta cujos nativos acredita serem causadores da morte dos amigos, mas é levado pela enxurrada de recursos letais do implacável vilão. Obviamente triunfa no final, mas acaba preso, prometendo no entanto civilizar o planeta até aos padrões Kree, de uma forma melhor descrita como fascismo zen.

É sempre interessante ver como o psicadelismo visceral de Morrison consegue dar a volta às mais banais personagens. Este Marvel Boy equilibra as alucinações típicas do autor e a constante dinâmica da Marvel do herói adolescente que se sente a lutar contra o mundo - a premissa chave que está por detrás dos mais populares títulos da editora e que toca directamente nas ansiedades e aspirações do seu público-alvo. Seguimos a previsível progressão narrativa face ao desfecho bem sucedido mas com caricaturas psicadelizadas dos heróis e vilões, e muitos momentos daquela verborreia causadora de tonturas neuronais que tanto gosto dá ler naquilo que Morrison escreve. O melhor momento da série, particularmente acutilante nos tempos que correm, acontece quando Marvel Boy tem de salvar o planeta de uma ameaça alienígena que se escapou dos porões: uma corporação viral inteligente que visa dominar a economia planetária, arrasando os recursos naturais do organismo hospedeiro para se poder propagar pela galáxia.


Jimmy Palmiotti (2013). Weapon Of God. Clearwater: PaperFilms.

Outro dos comics independentes que Jimmy Palmiotti financia através do Kickstarter. Weapon Of God é uma narrativa directa sobre um guerreiro treinado pelo Vaticano para ser a arma suprema na luta contra o mal. Verdadeira bomba atómica cristã, só é solto no mundo quando os demónios ameaçam a humanidade e combinando visão mística religiosa com proficiência em todas as formas de luta dá literalmente grandes tareias aos inimigos de deus. Um comic divertido, mas que não se distingue particularmente do dilúvio de livros do género.

Sem comentários: