sexta-feira, 12 de julho de 2013

Comics


2000 AD #1840: Deixa-me ver se percebi: uma nave espacial gigantesca capaz de albergar o nosso minúsculo planeta num dos seus recantos. Tripulada pelos pais dos seres super-poderosos que decidiram divertir-se com a capacidade humana para sangrar de múltiplos orifícios. Isto é estranho, até mesmo pelos padrões da 2000 AD, revista que nos brinda regularmente com os turbilhões mentais dos future shocks e publica o surreal Indigo Prime, onde as viagens no espaço-tempo e dimensões paralelas são absolutamente psicadélicas.


Astro City #02: Kurt Busiek homenageia o deliciar ingénuo dos comics golden age nesta série cujo principal tema é o deslumbre dos personagens, a ecoar o deslumbre infantil pelo género. Tudo é luminoso, colorido, contido de forma absoluta pelas linhas de contorno. Como se os comics ingénuos dos anos 50 tivessem regressado às bancas.


East of West #04: Que mais dizer? É Jonathan Hickman com rédea solta numa ucronia que remistura géneros do fantástico. É um mergulho mensal delicioso num intrigante mundo ficcional de imaginação pura, humor negro e futurismo delirante.


Sheltered #01: Mistérios num complexo povoado por paranóicos que se preparam diariamente para um apocalipse que nunca chega. Só o tabuleiro de jogo já possibilita um vasto conjunto de histórias às voltas com a tradição radical americana de desconfiar profundamente do governo, procurando auto-suficiência e preparando-se para as catástrofes possíveis com bunkers, balas e comida enlatada. Este primeiro momento dá-nos precisamente isso: um tabuleiro com as peças a movimentarem-se, levantando questões sem qualquer indicação ao leitor de possível resposta.


Storm Dogs #06: Conclui o primeiro arco narrativo de uma série de ficção científica sólida que começou incerta mas foi-se desenvolvendo em direcções interessantes. Começa como um policial procedimental onde uma equipe de investigadores aterra num planeta para investigar um assassínio. No planeta coexistem nervosamente uma colónia humana e uma civilização nativa exótica composta por seres inteligentes mas fisicamente fracos e os seus simbiontes, criaturas de baixa inteligência ligados telepaticamente aos seus mentores. Os segredos da civilização e as reais capacidades das estranhas criaturas vão sendo progressivamente revelados enquanto nos embrenhamos na história. Digamos que os gentis e fracotes simbiontes afinal são capazes de se tornar perigosos animais ferozes de garras e dentes afiados. Termina com um enorme potencial de continuação e afirma aquilo que os leitores de banda desenhada e fãs de ficção científica já perceberam: a Image é a editora mais vibrante e interessante no que toca a manter viva a banda desenhada que se atreve a definir-se como de ficção científica.

Sem comentários: