sexta-feira, 21 de junho de 2013

Comics


2000AD 1837: Que grande capa, pensei quando a revista me chegou às mãos. Futurista, pós-apocalíptica, reminiscente de alguma da mais potente iconografia de FC. Um Dredd solitário no meio das ruínas de Mega City One marca um novo arco narrativo que nos vai levar aos quarteirões arrasados nas desventuras de End of Days. Como bónus, a sempre surpreendente secção future shocks faz sorrir com uma brilhante história sobre invasores alienígenas que aniquilam aquela que pensam ser a mais poderosa arma terrestre: um escritor de future shocks cujas ideias mirabolantes inspiraram os métodos de ataque dos alienígenas.


Extinction Parade 01: Com World War Z em modo mega-filme de verão, de pipocas com sabor pictórico a tripas putrefactas, o que é que Max Brooks faz? Junta-se à independente e visceral Avatar Press para nos brindar com outra versão dos apocalipses zombie que andam tão na moda. Desta vez a coisa começa nas selvas malaias e a história é-nos contada por personagens imunes à praga zombie graças à sua condição de vampiras. Alguém sugeriu vampiros versus zombies? Sendo da Avatar, espera-se um comic a explodir de gore.


Mara #05: Brian Wood a escrever comics de super-heróis só podia resultar nesta história negra e irónica. Mara Prince, ex-atleta num mundo futuro que venera o atletismo de alta competição, depois de ter a sua vida virada ao contrário ao manifestar estranhos poderes, vê-se agora a braços com o seu mais malévolo inimigo: o governo militarista e totalitário que a quer como arma.


Mind The Gap #11: Andam na moda comics de enredo convoluto e interminável, que começam por despertar o interesse com um intrigante mistério no ponto de partida mas que se arrastam labirínticos ao longo de tortuosos arcos narrativos. Morning Glories é um exemplo, e confesso que já perdi a esperança de apanhar o fio à meada daquilo. Este Mind The Gap vai pelo mesmo caminho. O porquê do coma misterioso da personagem principal continua muito sugerido e pouco explicado, e a narrativa começa a ficar tortuosa. Digamos que é o modelo Lost aplicado aos comics.


Thumprint #01: O nome de Joe Hill sugere logo histórias de terror, mas o mote para esta nova série da IDW são os bem reais horrores de tortura em Abu Ghraib, revistos pela história de uma ex-soldado envolvida nas piores atrocidades. Tendo escapado por uma unha negra de pagar pelos seus crimes, regressa à vida civil onde começa a ser atormentada por cartas em branco onde apenas se vê uma impressão digital a vermelho sangrento.

Sem comentários: