segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Comics


2000 AD #1817: Onde a realidade da guerra à distância através de drones se intromete no mundo ficcional retro-futurista distópico de Savage, onde um inglês ferrenho se vê a liderar uma revolta contra invasores que ocupam o Reino Unido. Os invasores são uma caricatura mal disfarçada do antigo exército vermelho da extinta União Soviética, e não surpreente. Savage é uma série clássica dos anos 80, dos tempos esquecidos da guerra fria que está a ser recuperado num tom mais moderno. O resultado é uma curiosa mistura de estilismo e ideias retro dos passados anos 80 com toques da modernidade contemporânea. Os autores também estão a estabelecer relações com os ABC Warriors, outro título clássico, o que poderá apontar para um esforço de criação de uma linha de continuidade da 2000 AD.


Nowhere Men #03: A Image está a apostar fortemente em séries de ficção científica bem estruturadas. Nowhere Men é um caso interessante, que vai desvendando subtilmente as jogadas de um grupo de génios cientistas que se apresentaram nos anos 60 como estrelas pop e na era contemporânea estão cheios de segredos que se vão revelando de catástrofe em catástrofe. A série já vai em três números e continua insondável, com um posicionamento de peças em jogo que ainda não deixa adivinhar no que a história irá resultar.


The Unwritten #45: São pérolas destas que mantém The Unwritten como o título mais interessante da Vertigo actualmente (e pelo andar da carruagem, um dos cada vez mais raros títulos da chancela para comics eruditos da DC). Diga-se que a série se tem alongado excessivamente, vítima do sucesso, e nota-se que Carey começa a não ter mais espaço para continuar as aventuras metaficcionais de Tommy Taylor. Mas não deixa de nos surpreender com reflexões subtis sobre o poder e a importância das ficções para o ser humano.


Mara #02: É Brian Wood que escreve, por isso podemos esperar distopias urbanas futuristas. Este mundo futuro mergulhou numa obsessão mediática por desporto e guerra, ocultando injustiças, totalitarismos e desigualdes. No fundo, não muito diferente do mundo real.

Sem comentários: