quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

An extension of our central nervous system

Como poderá ser um computador no futuro? A pergunta era deliberadamente simples e aberta, não dirigida e com múltiplas possibilidades de resposta. Estava baseada em conceitos de design fiction ou demos de novos conceitos mostrados na sala de aula. Mas também esperava que se reflectisse o resultado do crescer rodeado de tecnologia em constante evolução, do constante bombardeamento mediático com novas maravilhas digitais que brilham na sua obsolescência planeada. As gerações mais recentes já não se recordam de um ambiente ao seu redor sem computadores. Quer em casa, na escola, nos espaços do dia a dia, nas ficções da cultura popular, o computador é omnipresente mesmo para aqueles que por razões económicas não lhe têm acesso como objecto pessoal do seu dia a dia. Mais do que visões sobre futuros dos engenhos de cálculo que virtualizaram a sociedade planetária, estas respostas são retratos de como estes alunos do ensino básico concebem aquele que é o utensílio essencial para a vida contemporânea no dealbar do século XXI.

Seguem-se algumas das respostas, não editadas:

"Computadores robots , que por exemplo façam o que nós mandamos."

"no futuro o computador poderá ser mais pequeno do que um tablet (desde que os computadores existem quando se inventa outro a tendência é o tamanho diminuir); poderá ser um computador com acesso a tudo mais rapidamente."

"A forma que um computador pode ter no futuro são várias as opiniões de cada um pois ainda é uma pergunta sem resposta apenas opiniões. A minha opinião é que um computador no futuro esteja mesmo ligado ao nosso cérebro como os Neuronais, que exista lentes digitais, que apenas seja o nosso toque ou o nosso estar corporal chegue para o computador perceber o que queremos até mesmo o nosso pensamento pode chegar. O design do computador poderá ser mais pequeno, pois seria mais fácil trabalhar.Ecrãs dobráveis, carregamento sem fios, computadores enrolados ..."

"o computador no futuro, poderá ser um sistema que se interliga com o nosso cérebro, ou seja, envia o que queremos fazer, como exemplo ir a internet pesquisar algo, ou entao também poderá uma espécie de óculos que podemos "fazer tudo" o que queremos, ate mesmo mandar mensagem para alguém ou ate mesmo ver a metereologia."

"O computador no futuro poderá vir a ser um modo de vida!!!"

"Um computador no futuro, poderá estár nos nossos frigorificos, nas nossas camas, na nossa própria roupa nas nossas paredes nos nossos carros e poderá ser tatil e dobravel sem precisar de rede eletrica." Ideia interessante. Espelha aqueles projectos do MIT no campo dos interfaces fluídos.

Ubiquidade, variedade de formas, elemento indispensável ao dia a dia, progressiva interligação entre a pessoa e os seus equipamentos digitais. Longe vão os tempos das máquinas de secretária nestes futuros imaginados.

"Um computador no futuro podera ser um ipad, um computador que se transforma e m ipad e muitas outras coisas." Certo, já se percebeu o desejo natalício.


"Tendo em conta a criação do primeiro computador, desde o início que os computadores têm vindo a evoluir. Os primeiros computadores eram demasiado grandes para o seu desempenho mas já se começavam a entender algumas ideias de evolução e programação nas máquinas.
Com estudos, projetos e experiências os computadores têm vindo a ficar mais rápidos , com melhor desempenho e com uma melhor apresentação .O que significa que hoje em dia já podemos encontrar computadores com uma elevada interface gráfica para o utilizador . Como por exemplo a criação de computadores com interface tátil e gestual . Por isso no futuro os computadores poderão vir a pensar/processar melhor ou igual a um ser humano ." Melhor que um ser humano? O velho sonho da inteligência artificial, sempre adiado mas com derivações cujas aplicações quase parecem magia. Sonhos sublimes de máquinas que pensam.

"tendo em conta o avanço da tecnologia  tudo é possível talvez com mais teclas, mais funções,mais informação disponível,mais hiperligações e mais avançado em estado de memória e programas mais avançados." Ao ler isto veio-me à mente um pesadelo de FC de série B ou aquelas imagens de computadores dos primórdios da era digital, com salas cheias de máquinas com botões para carregar. Mas a visão é válida e aponta para o reconhecimento do aumento progressivo do que se pode fazer com dispositivos computacionais.

"No futuro os computadores poderão ser óculos de realidade aumentada,onde poderemos estar sempre acompanhados de internet,ou de aplicações através do olhar e dispositivos de interface cerebrais,onde poderemos ir á internet  com  a nossa mente. Um computador no futuro poderá ser visto por uns óculos, esses óculos permitem-nos não nos esquecer-mos das coisas do dia a dia como compromissos, tachos ao lume, temperatura e muitas outras coisas." Claramente, houve aqui inspiração dos conceitos de óculos de realidade aumentada como o Google Glasses. Interessante o pormenor dos tachos ao lume. Nenhum bife ficará carbonizado ou arroz colado ao tacho no admirável mundo novo digital!

"a tecnologia por mais simples que seja está sempre presente na nossa vida, já não conseguiríamos viver sem ela. No futuro o computador será aplicado em tudo  (a ler um simples livro). Quem sabe se não passamos a ter aulas num computador seria mais motivante para os alunos." Obrigadinho pela parte que me toca, pensa o professor... mas nota-se o instalar da noção de ubiquidade digital na mente das crianças. Vida antes do computador? Seria possível? E também, robots coreanos que colocam os professores em telepresença.

"No futuro, os computadores serão uns óculos em que, para fazermos, uma pesquisa, ver um filme, jogar um jogo...basta pensarmos no que queremos fazer, porque os óculos terão um leitor de mentes. E no futuro as pessoas serão muito calmas, têm de ter um pensamento de cada vez, porque se não «bloqueiam» o computador." Regresso aos óculos de RA. Com o pormenor da leitura de mentes (aqui há as influências das tecnologias assistivas de interface cérebro-máquina) que sublinha um possível problema de um equipamento controlado por pensamentos... há que pensar de acordo com a máquina.

"o computador do futuro poderá ser implantado no nosso cérebro  e com base em ideias do mesmo e a informação será processado por ele em que executávamos todas as nossas ordens via pensamentos cerebrais,e também que nos iria dizer como estamos bem psicologicamente, socialmente, fisicamente,e iria ser tudo executado em milésimas de segundo." Uma ideia profundamente singularitária: convergência entre o real e o virtual. Transcendência humana através do computador. We are borgs, we were assimilated a long time ago.

"Um computador no futuro poderá funcionar pela voz, ser mais inteligente que todos os outros ja criados, poderá ter de tudo em relação a programas, ligações e tudo mais, podera nao ter rato e teclado sendo apenas uma progeção numa mesa que consegue perceber o que a pessoa quer simplesmente aproximando a mão da zona do rato por exemplo." Alguém disse... kinect?

"Nos últimos anos tem-se assistido a uma enorme transformação nos computadores e devemos esperar uma evolução semelhante nos próximos tempos - ou ainda mais rápida. Um dos próximos passos deve ser tornar comum os ecrãs tácteis (que já existem em algumas marcas). Depois, antecipam-se ecrãs dobráveis, por exemplo. Está também a ser desenvolvido  o Nexstep, um computador que se assemelha a um relógio de pulso e quem sabe o computador do futuro não pode estar integrado nuns óculos ou sob qualquer outra forma até dentro do nosso corpo. É certo que dentro de pouco tempo os computadores vão tornar-se objetos mais moldáveis e cada vez mais pequenos (parecidos aos smartphones), os teclados e os ratos vão ser desnecessários e tudo vai ser feito sem fios." Boa resposta. Similar a tantas reportagens recheadas de gadgets brilhantes, milagres tecnológicos simbolizados como objectos de desejo.

"No futuro, o computador, poderá deixar de ser como nós estamos o abituados a ver.
Podemos passar a viver em mundos virtuais e de realidade aumentada, com dispositivos inseridos nos nossos óculos ou em tudo o que nos rodeia. O computador poderá deixar de ser uma máquina esterior e pasar a ser parte de nós com dispositivos inseridos no nosso corpo." Qual a natureza da realidade? Já seremos isto, agregados de bits a imaginar que estamos conscientes mas na verdade a habitar uma simulação bem programada?

"O computador no futuro será um aparelho indispensável à comunicação e mesmo a vida, pois como precisamos dele em todo o lado eu penso que irá ser um tipo de vidro, fino e leve para poder ser mais prático e inteligente." Novamente, o sublinhar da ideia do computador como objecto de extrema necessidade.

"Não sei bem como será um computador do futuro pois não vivo nele, mas se eu tivesse de escolher o computador das próximas gerações seriam: umas lentes de contacto muito fashion, onde podiamos ver tudo o que está nos nossos ecrãs dos pcs, através de hologramas; umas unhas postiças que nos permitiam interagir com os hologramas e as nossas atuais pens da net seriam uns brincos que mudavam de cor consoante os Gs." A resposta mais divertida que recebi. Faz recordar conceitos de design dos anos 90 do século XX. Alguém se recorda dos wearable computers?

"O cOmputador no futuro será por interfaces cerebais e oculos de realidade aumentada.
Além de ser 500 vezes mais rapido que nos dias de hoje, vao responder a um comando de voz ou seja ja nao presisaremos de escrever apenas falar, será também muito  flexivel tanto que se pode dubrar e ser guardado onde quizermos. Será o maximo criativo." Certo, há por aqui uma certa falta daquele corrector ortográfico cerebral que se treina com leituras. Apesar disto, resume muito bem grande parte dos conceitos que abordámos na sala de aula.

"Para mim um computador no futuro poderá ter a forma de um micro chip que pode ser transportado conosco em qualquer lugar, ou mesmo ser implantado no nosso corpo." Não cheguei a falar aos alunos de Kevin Warwick, investigador britânico que ficou famoso por implantar sensores no corpo nos anos 90, talvez o primeiro exemplo de cyborg.

"O computador no futuro vai ser como um cerebro humano," Isto escreve inocentemente o meu aluno. Recordo the computer: an extention of the human intellect do clássico filme Tron, uma frase com profunda inspiração em Marshall McLuhan, cujas teorias sobre tecnologias como extensão dos sentidos ecoam nesta sociedade contemporânea tecno-dependente, tecno-luxuriante e tecno-fetishista. The computer is the most extraordinary of man's technological clothing; it's an extension of our central nervous system, escreveu McLuhan em Understanding Media. Warren Ellis usa a expressão external brain para caracterizar o rebanho de gadgets que usa no seu dia a dia. Porque é neles, nos tablets, e-readers, computadores, cloud servers, telemóveis, que guardamos os pedaços de informação que têm significado para nós.

É um retrato. Opiniões recolhidas a alunos do ensino básico. Nativos digitais por inerência, mas com dificuldade em navegar os labirintos da era digital. Influenciados por visões cinematográficas, pelo que vêem no televisor e no ecrã de jogo. Habituados a utilizar o computador para brincar e consumir informação, utentes exímios de redes sociais. Tumblr e ask.fm são os novos facebooks, reparo ao observar a forma como interagem na internet quando pensam que estou desatento. Habituados à submersão constante em barragens de informação, mas com sérios problemas no interpretar de informação. Isto talvez seja algo mais específico à escola, onde a interpretação de informação segue limites restritos e o hábito do professor esclarecer/ajudar/demonstrar se sobrepõe à curiosidade.

Sem comentários: