terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Doga L3

Desenvolvido originalmente em 1985 por um grupo de estudantes das universidades de Osaka e Kyoto, o projecto DoGA (significando animação em japonês) visa facilitar a introdução à aprendizagem da modelação e animação 3D e seus fluxos de trabalho. Os objectivos do projecto envolvem a criação de um software 3D de baixo custo, fácil de utilizar, permitindo iniciação aos campos da animação e modelação tridimensional. O foco da aplicação está na produção fácil e rápida de modelos, animações e efeitos especiais tridimensionais de uma forma acessível a utilizadores pouco experientes de diversas idades
.
Os requisitos de sistemas envolvem qualquer sistema operativo Windows a partir do Windows 98, processador de 90 Mhz, 32 mb de RAM e 60 MB de espaço em disco.

A aplicação está disponível em três versões, concebidas de acordo com três níveis de complexidade. A versão L1 introduz o utilizador aos ambientes de trabalho em 3D com alguns recursos de modelação e animação simples. A versão L2 permite definição de texturas e materiais, e animação por fotogramas-chave. A versão mais completa, L3, constrói sobre as anteriores e envolve formas avançadas de definição de texturas e materiais, criação de acções e renderização com melhor qualidade relativa às versões anteriores. Estas três versões não correspondem às versões incrementais de software. Cada uma é uma aplicação completa e a sua utilização obedece a um princípio de aprendizagem passo a passo. É esperado que o utilizador explore a versão L1, avançando para a versão L2 e posteriormente L3 de acordo com as necessidades do seu percurso de aprendizagem.

No âmbito deste projecto foi utilizada a versão L3. A sua vantagem específica prende-se com a capacidade de atribuir cores e materiais a cada elemento do objecto 3D. Dos diferentes recursos da aplicação foi seleccionada a funcionalidade de modelação de objectos como foco de incidência no processo de exploração com os alunos.

Fig. 1: ecrã de arranque do DoGA L3

A aplicação DoGA L3 permite cinco tipos de operações: modelação de um objecto tridimensional (opção Design an object), modelação de um objecto articulado (Design a multi-joint object), criação de uma acção (Design an action), criação de um movimento (Design a motion) e renderização de animação.  Acedendo à opção Design an object entramos na área do programa destinada à modelação tridimensional.

Fig. 2: pontos de vista e biblioteca de peças.

Dispomos de três pontos de vista (topo, lateral e frente) e uma vista de perspectiva. As vistas de alçado apresentam uma grelha de fundo, que facilita o posicionamento dos objectos. Os atributos de cor e material dos elementos aplicados são definidos na barra Part Atribute. Apesar de ser uma aplicação de modelação 3D, o DoGA não dispõe de ferramentas de modelação. O programa tem uma biblioteca de peças pré-modeladas de vários graus de complexidade: formas primitivas, caracteres alfanuméricos e kanji, objectos modulares. A criação de modelos neste software envolve a selecção de peças e sua modificação e aglutinação em modelos complexos. Para aceder ao repositório de peças clicamos no comando add part do menu Part ou recorremos à tecla Insert do teclado.

É possível adicionar novas peças ao repositório modelando-as noutras aplicações tridimensionais. O programa Metasequoia exporta objectos no formado específico do DoGA (L1P, L2P, L3P, SUF) e a versão DoGA L3 inclui um conversor de modelos exportados em formato DXF.

O fluxo de trabalho na aplicação envolve a selecção de peças e sua assemblagem num modelo de objecto. O directório do repositório de peças direcciona os utilizadores para a criação de veículos, animais e robots. A estrutura modular dos componentes permite um elevado número de combinações, determinado apenas pela imaginação dos utilizadores. Cada peça pode ser reposicionada, deformada e rodada no espaço tridimensional através de pontos específicos identificados por cores – vermelho ao centro da caixa de limites para reposicionar, azul ao meio das arestas para redimensionar, verde nos vértices para rodar. As linhas de grelha auxiliam visualmente o posicionamento de cada elemento do modelo.  A aplicação de cores e texturas nos componentes do modelo é feita através da sua definição na barra de atributos de peça.

Os modelos criados podem ser guardados no formato nativo da aplicação (L3P) ou exportados como DXF, Direct3D e WRL (VRML97). A exportação para o formato DXF preserva a geometria e cores atribuídas ao modelo. A exportação para o formato VRML gera um ficheiro VRML e um ficheiro JPEG de texturas, caso estas tenham sido aplicadas aquando da modelação em DoGA. Estas funcionalidades de exportação permitem criar um modelo complexo nesta aplicação e utilizá-lo noutros softwares com maiores recursos de modelação e animação 3D – utilizar como objecto importado em cenas criadas em Bryce, modelo aplicado num espaço virtual VRML/X3D criado em Vivaty Studio, ou objecto modificável em 3DS Max são alguns exemplos possíveis.

Sem grandes recursos de modelação, o DoGA L3 destaca-se pela sua facilidade de utilização e rápida curva de aprendizagem. Recorrendo a um número limitado de objectos modulares que permitem inúmeras combinações, facilita a criação de veículos, robots, animais e outros objectos tridimensionais que podem ser exportados em diversos formatos e posteriormente aplicados e trabalhados noutras aplicações. O elemento de utilização de aprendizagem mais complexo é o como posicionar objectos no espaço tridimensional para que o modelo final seja coerente, depressa ultrapassado após compreensão dos elementos de transformação e das linhas de grelha como guia visual. Com algumas indicações qualquer utilizador consegue em poucos minutos perceber o essencial deste programa e criar objectos tridimensionais complexos através da assemblagem de peças modulares. A temática do programa e sua facilidade de utilização tornam-no popular entre crianças.

Fonte:

Sem comentários: